Pesquisar este blog

27 de jul de 2010

LINGUA PORTUGUESA PARA MPU

LÍNGUA PORTUGUESA:


 


 

1 Compreensão e interpretação de textos.

Ana e Maria vieram aqui. Esta veio a pé e aquela , de ônibus.

(esta e aquela formam uma cadeia anafórica pois retoma com os pronomes termos já citados a fim de manter a coesão do texto)

O assunto é este: a interpretação de texto nas provas.

(este é um catafórico, antecipa o que vou dizer)


 

2 Tipologia textual.


 

NARRAÇÃO - Para exemplificar este tipo de texto, imagine o que normalmente fazemos com nossos filhos quando chegam da escola - perguntamos: "E aí, como foi o seu dia?". O que a criança passa a fazer é narrar os acontecimentos do dia.

O texto narrativo é um dos primeiros que a pessoa aprende a produzir. A narração enuncia FATOS e envolve os seguintes elementos: quem, onde, quando, como.

Esses elementos surgem no início da narrativa e têm a função de situar o leitor/ouvinte em relação ao lugar, tempo, pessoas envolvidas no fato narrado. Essa parte da narrativa é denominada de ORIENTAÇÃO.

A maioria dos verbos que compõem esse tipo de texto são VERBOS DE AÇÃO ("Fizemos isso, encontramos aquilo...").


O conjunto de ações que compõem o texto narrativo, ou seja, a história contada, recebe o nome de ENREDO. As pessoas são os PERSONAGENS (a professora Beltrana, o colega Fulano). O lugar em que ocorrem os fatos é o ESPAÇO (no pátio, na quadra), e o momento é chamado de TEMPO (pela manhã, ontem, hoje).


 

A narração pode ser pessoal (verbos na 1ª pessoa) ou impessoal (verbos na 3ª pessoa). Como acontece com outros textos, a narração possui começo (introdução/orientação), meio (enredo) e fim (encerramento).


DESCRIÇÃO – Descrever é enumerar as características das pessoas ou dos lugares, particularizando-os em relação aos demais elementos de mesma espécie.


A descrição pode ser OBJETIVA (como em uma fotografia, que se faz fiel ao original) ou SUBJETIVA (como em uma pintura, em que a visão do autor pode prevalecer sobre a imagem "verdadeira")


Associada a outros tipos de texto, tem como objetivo funcionar como um "pano de fundo", ou seja, dar ao leitor/ouvinte a oportunidade de imaginar o cenário da ação ou as pessoas que dela participam.


Ao contrário da narração, em que os fatos são apresentados sucessivamente, na descrição o relato é estanque, podendo até promover uma interrupção na narrativa (no caso de texto "misto") para apresentar os detalhes físicos do lugar, das pessoas, ou seja, ambientar o leitor/ouvinte.


A descrição também pode ser associada a um texto dissertativo. Nesse caso, tem a função de comentar ou detalhar os argumentos contrários ou favoráveis da tese defendida pelo autor (por exemplo, em uma crítica sobre o trabalho escravo, o autor pode descrever os locais em que os trabalhadores vivem).


Em um texto descritivo técnico (não-literário), a função do autor é recriar o objeto utilizando-se de uma linguagem precisa. Esse tipo de texto é usado para descrever máquinas, equipamentos, aparelhos, o seu funcionamento, as peças que os compõem etc.


O texto narrativo, por ter a representação de um acontecimento, é marcado pela temporalidade. Já o descritivo é atemporal: reproduz a situação física do objeto ou da pessoa. Por isso, o que prevalece são os ADJETIVOS e, em relação aos verbos, os de LIGAÇÃO ou que enunciam características, propriedades, qualidades (ser, estar, haver, existir, situar-se), usados principalmente no presente e nos pretéritos perfeito e imperfeito do indicativo.


DISSERTAÇÃO – Neste tipo de texto, o foco é a IDÉIA. A função da dissertação é discutir, debater, questionar, apresentar pontos de vista ou teses do autor. Pode ser dividido em categorias: argumentativo ou expositivo.


A argumentação é o elemento essencial quando a intenção do autor é apresentar ou defender uma tese. Na exposição, expõem-se conceitos. A impessoalidade do texto dissertativo fica por conta do emprego de terceira pessoa, nos verbos e pronomes.

Na elaboração de uma dissertação, o autor deve ter em mente quatro aspectos: OBJETIVIDADE, CONCISÃO, CLAREZA e PRECISÃO. Objetivo é um texto direto, sem opiniões pessoais (se for o caso); a exposição das idéias em poucas palavras demonstra a concisão; clareza retrata a facilidade de leitura e compreensão; e, finalmente, a precisão significa a exatidão.


Podemos resumir da seguinte forma:

Texto narrativo - narração - envolve 'predicado verbal', ou seja, ações, fatos (pense em "agir", "fazer", "acontecer" – descreve atos).

Texto descritivo - descrição - envolve 'predicado nominal', ou seja, características, qualidades, defeitos (pense em "ser" e "estar" - descreve características)

Texto dissertativo-argumentativo - desenvolve uma tese, um conceito, com forte valor opinativo (argumentativo), composto de introdução, desenvolvimento e conclusão - o autor deixa clara a sua posição em relação ao assunto.

Texto dissertativo-expositivo – distanciamento do autor na redação – limita-se a apresentar os conceitos.


Não se deve confundir TIPOS TEXTUAIS (acabamos de ver) com GÊNEROS TEXTUAIS.
Os gêneros textuais referem-se a todas as formas de textos, sejam eles escritos ou orais.

Há uma infinidade de gêneros textuais, literários e não-literários.

Em um mesmo gênero de texto, pode haver diferentes tipos de texto (narração + descrição, dissertação + descrição, etc.), porém, em alguns casos, pode ocorrer uma predominância de um tipo sobre outro.


TIPOS DE DISCURSOS

No texto, pode haver vários tipos de discurso, de modo a reproduzir enunciações:

- discurso direto – reproduz-se, ipsis litteris (=ao pé da letra), a fala do outro, indicando-se com travessão e/ou aspas; é marcado, geralmente, pela presença de verbos "dicendi" (afirmou, disse, perguntou);

- discurso indireto – o autor reproduz a fala do outro com suas próprias palavras;

- discurso indireto livre – neste tipo de citação, a fala do personagem surge no meio do texto, sem aspas, travessão ou dois-pontos; é um tipo de discurso direto sem elos subordinativos.


Texto

Para que a democracia seja efetiva, é necessário que as pessoas se sintam ligadas aos seus concidadãos e que essa ligação se manifeste por meio de um conjunto de organizações e instituições extramercado. Uma cultura política atuante precisa de grupos comunitários, bibliotecas, escolas públicas, associações de moradores, cooperativas, locais para reuniões públicas, associações voluntárias e sindicatos que propiciem formas de comunicação, encontro e interação entre os concidadãos. A democracia neoliberal, com sua idéia de mercado über alles, nunca leva em conta essa atuação. Em vez de cidadãos, ela produz consumidores. Em vez de comunidades, produz shopping centers. O que sobra é uma sociedade atomizada, de pessoas sem compromisso, desmoralizadas e socialmente impotentes. Em suma, o neoliberalismo é o inimigo primeiro e imediato da verdadeira democracia participativa, não apenas nos 16 Estados Unidos, mas em todo o planeta, e assim continuará no futuro previsível.


Assinale a opção correta com referência à tipologia do texto.

A) O produtor do texto apresenta, em narrativa concisa, a trajetória contemporânea da democracia neoliberal em direção a um futuro previsível.

B) O texto caracteriza-se como dissertativo-argumentativo, no qual o autor, contrapondo dois tipos de sistema político, manifesta-se contra os efeitos nocivos de um sobre o outro.

C) Em um texto eminentemente descritivo, o autor estabelece, de modo subjetivo, um paralelo entre dois tipos de democracia cujas ações atendem, de modo diferenciado, aos interesses populares.

D) No texto, identifica-se uma parte narrativa, em que o autor relata o surgimento da democracia neoliberal, e outra descritiva, por meio da qual o produtor enumera, objetivamente, as características da democracia participativa.

E) Trata-se de texto expositivo, de caráter intimista, em que o autor apresenta suas impressões pessoais a respeito do neoliberalismo e da influência norte-americana sobre o futuro da humanidade.


Gabarito: B


Comentário. O texto caracteriza-se como dissertativo-argumentativo, no qual o autor, contrapondo dois tipos de sistema político, manifesta-se contra os efeitos nocivos de um sobre o outro.

O autor apresenta o primeiro tipo de sistema político (1º período) e, a partir daí, desenvolve o tema. A partir do 2º período, apresenta o segundo tipo e expõe todas as suas mazelas (forte carga argumentativa). Ao fim ("Em suma..."), apresenta a conclusão que pode ser sintetizada pela primeira oração - "o neoliberalismo é o inimigo primeiro e imediato da verdadeira democracia participativa". Perfeita opção.

As demais estão incorretas pelos seguintes motivos:


A) O problema dessa assertiva é considerar o texto como narrativo. Há um forte apelo argumentativo, como na passagem: "O que sobra é uma sociedade atomizada, de pessoas sem compromisso, desmoralizadas e socialmente impotentes.". Esses são valores altamente subjetivos.

C) Segundo o autor, a política neoliberal "nunca leva em conta essa atuação.", ou seja, "grupos comunitários, bibliotecas, escolas públicas, associações de moradores, cooperativas, locais para reuniões públicas, associações voluntárias e sindicatos que propiciem formas de comunicação, encontro e interação entre os concidadãos.".
A democracia neoliberal, segundo ele, produz consumidores. Não atende, portanto, aos interesses populares. Além de tudo isso, o texto é considerado dissertativo-argumentativo, como já expusemos acima, e não "eminentemente descritivo".
D) O que prevalece neste texto é a IDÉIA - o autor apresenta características da democracia participativa e pontos em que a democracia neoliberal se opõe a esta. Por isso, o texto é essencialmente dissertativo.

E) Não encontra nenhum respaldo a afirmação "o autor apresenta suas impressões pessoais a respeito da influência norte-americana sobre o futuro da humanidade".


 

3 Ortografia oficial.


 

X: 1 – depois de ditongos: ameixa, frouxo, peixe;
EXCEÇÃO: recauchutar.

2 – depois da sílaba EN: enxame, enxergar; EXCEÇÕES: encher, encharcar, enchova, enchumaçar e derivados

3 – depois da sílaba ME, quando "fechada": mexa (verbo), mexerico. CUIDADO: mecha (substantivo) = pronúncia "aberta".

G: 1 – nos sufixos AGEM, IGEM e UGEM: viagem (substantivo), vertigem, ferrugem; EXCEÇÕES: pajem, lajem, lambujem.

2 – nos sufixos AGIO, EGIO, IGIO, OGIO e UGIO: pedágio, colégio, prestígio, relógio, refúgio;

3 – nas palavras derivadas daquelas que possuem G no radical margem – margear, homenagem – homenagear.
CUIDADO: monge – monja,

J: 1 – origem indígena, africana e árabe: pajé, jibóia, jeca, jenipapo, jirau, jiló, cafajeste, jerico, jequitibá;

2 – flexões dos verbos que possuem J no radical: viajar – que eles viajem; bocejar – eu bocejei;

3 – derivadas daquelas que possuem J no radical: gorja – gorjeta; lisonja – lisonjeado;

4 – nas palavras de origem latina: jeito, hoje, majestade, injetar, objeto, ultraje.

Ç: 1 – derivadas daquelas que possuem T no radical: exceto – exceção, setor – seção, cantar – canção;

2 – origem indígena, árabe e africana: miçanga, paçoca, muriçoca, muçulmano, açougue, açoite;

3 – nos sufixos AÇU e AÇO: babaçu, Paraguaçu, Nova Iguaçu, golaço, poetaço, atrevidaço;

4 – depois de ditongo: compleição, feição, beiço

S: 1 – substantivos que designam origem, título honorífico e feminino: chinês, japonês, baronesa, duquesa, sacerdotisa, poetisa;

2 – nos sufixos ASE, ESE, ISI e OSE: ascese, eletrólise, apoteose;

3 – nos sufixos OSO e OSA: formoso, formosa, gostoso, gostosa;

4 – derivadas daquelas que possuem D, RT ou RG no seu radical: iludir – ilusão, inverter inversão; imergir – imersão, submergir – submersão;

5 – no prefixo TRANS e nos seus derivados: transatlântico, trasladar (ou transladar);

6 – após os ditongos: maisena, Sousa, coisa;

7 – nas formas verbais derivadas dos verbos QUERER e PÔR: quis, quisera, pusera, compusera.

SS: 1 – nas palavras derivadas daquelas que possuem as expressões
CED, GRED, PRIM, MIT, MET e CUT no radical: suceder – sucessão, regredir – regressão, intrometer – intromissão, discutir – discussão;

Z: 1 – nas terminações EZ e EZA, formando substantivos abstratos
derivados de adjetivos: insensato – insensatez, nu – nudez;

2 – nas terminações IZAR, formando infinitivos verbais: sintonia – sintonizar, real – realizar, visual – visualizar; CUIDADO: 1 – se a palavra possuir S em sua parte final, o infinitivo verbal também levará S: análise – analisar, paralisia – paralisar;

2 – Hipnose – hipnotizar; Síntese – sintetizar; Batismo – batizar; Catequese – catequizar;

3 – como consoante de ligação: pé + udo = pezudo; guri + ada = gurizada.

H: 1 – ligadas por hífen em que o segundo elemento começa com H: anti-higiênico, pré-histórico, super-homem; CUIDADO: desarmonia, lobisomem.

2 – na palavra Bahia. CUIDADO: derivadas não possuem H: baiano

são irregulares os verbos terminados em EAR; recebem a letra I nas formas rizotônicas (eu, tu, ele, eles: a sílaba tônica integra o radical): passeio, passeias, passeia, passeamos, passeais, passeiam;

2 – são regulares os verbos terminados em IAR: premio, premias, premia, premiamos, premiais, premiam. CUIDADO: Mediar, Ansiar, Remediar, Incendiar, Odiar (MARIO): apesar de terminarem em IAR, são irregulares e recebem a letra E nas formas rizotônicas (eu, tu, ele, eles): odeio, odeias, odeia, odiamos, odiais, odeiam.

MAL x MAU a) Ela se houve mal na prova. (advérbio de modo, contrário de
bem, refere-se a um verbo)

POR QUE x POR QUÊ

a) Por que você não veio? (preposição + pronome interrogativo, usado no início da oração,por qual motivo, o "que" é átono)

b) Quero saber por que você não veio. (frase interrogativa é indireta)

c) Você não veio por quê? (agora a expressão aparece no final da frase, e o "que" é tônico)

d) Quero saber o motivo por que você não veio. (preposição + pronome relativo, usado no início da oração, equivale-se a pelo qual)

PORQUE x PORQUÊ

a) Não vim porque estava cansado. (conjunção subordinativa adverbial, circunstância de causa)

b) Fique quieto, porque você está incomodando. (conjunção coordenativa explicativa)

SENÃO x SE NÃO

a) Estudem, senão ficarão reprovados. (pode ser substituído por ou, indica alternância de ideias que se excluem mutuamente)

b) Não fazia coisa alguma, senão criticar. (equivale-se a mas sim, porém,)

ACERCA DE x A CERCA DE x HÁ CERCA DE

a) Hoje falaremos acerca dos pronomes. (locução prepositiva – "dos" = de + os –, equivale-se a sobre)

b) Os primeiros colonizadores surgiram há cerca de quinhentos anos. (refere-se a acontecimento passado)

c) Estamos a cerca de quatro meses da prova. (refere-se a acontecimento futuro ou distância)

AFIM x A FIM DE

a) Temos ideias afins. (adjetivo, refere-se a um substantivo, varia em número para com ele concordar)

b) Estudou muito, a fim de tirar o primeiro lugar. (locução prepositiva, denota finalidade, objetivo, intenção)

DEMAIS x DE MAIS

a) Estudei demais. (advérbio de intensidade, liga-se a um verbo, equivale-se a muito, demasiadamente, em excesso)

b) Eu estudo muito; os demais, pouco. (pronome indefinido substantivo, equivale-se a outros, vem precedido de artigo)

c) Surgiram candidatos de mais. (locução que se contrapõe a de menos)


 

4 Acentuação gráfica


 

MONOSSÍLABOS TÔNICOS: o acento é empregado naqueles terminados por A(S), E(S) ou O(S). Ex.: Elas são más. / Pisaram o meu . / Ninguém ficará . PRÉ e PRÓ vierem separados por hífen, eles serão acentuados: pré-técnico, pró-labore. Quando não estiverem, não serão acentuados: pressentir, prosseguir.

Nas formas verbais terminadas em R, S ou Z e seguidas por pronomes oblíquos átonos A(s) ou O(S), essas consoantes são suprimidas, as vogais A, E ou O da terminação verbal recebem acento gráfico e os pronomes oblíquos átonos A(S) ou O(S) recebem a letra "L": dar + o = dá-lo; pôs + os =
pô-los; fez + a = fê-la.

OXÍTONOS (a sílaba tônica da palavra é a última) usa-se o acento quando terminarem em A(S), E(S), O(S), EM, ENS: Ex.: cajá, cafés, cipó, armazém, armazéns

PAROXÍTONOS (a sílaba tônica é a penúltima) 􀃆 são acentuados aqueles que terminam em I(S), U(S), Ã(S), ÃO(S), ON(S), UM, UNS, L, N, R, X, PS, DITONGO ORAL. Ex.: júri, íris, vírus, ímã, órfãs, órgão, sótãos, médium, abdômen, mártir, íons, vôlei, jóquei, história, gênio. Não serão acentuados os vocábulos paroxítonos terminados por EM ou ENS: item, itens, hifens (mas: hífen ou hífenes), polens (mas: pólen ou pólenes). Os prefixos paroxítonos terminados por I ou R não serão acentuados: semi-histórico, super-homem.

PROPAROXÍTONOS (a sílaba tônica é a antepenúltima) todos são acentuados. Ex.: histórico, cântico, lâmpada, hífenes, pólenes.

HIATOS a) Acentua-se a primeira vogal dos hiatos ÔO, ÊE.
Ex.: vôo, enjôos, crêem, dêem, lêem, vêem. (3ª pessoa do plural dos verbos
crer, dar, ler e ver) As vogais I(S) e U(S), quando formarem a sílaba tônica e ocuparem a
segunda posição do hiato, sozinhas ou acompanhadas de S.
Ex.: saída, saúde, país, baús, incluí-lo.

CUIDADO! Se as vogais I ou U formarem sílabas com L, M, N, R, Z ou vierem seguidas de NH, não haverá acento gráfico: pa-ul, ru-im, a-in-da, sa-ir, ju-iz,
ra-i-nha.

Se as vogais I ou U formarem hiato com uma vogal idêntica, não se usará acento gráfico: xi-i-ta, va-di-i-ce, su-cu-u-ba (nome de uma planta). O acento só surgirá se a palavra for uma proparoxítona: fri-ís-si-mo.

DITONGOS a) ÉU, ÉI, ÓI: quando tônicos e abertos.
Ex.: chapéu, assembléia, jibóia, céu, papéis. CUIDADO! Os ditongos abertos EU, EI e OI, quando não constituírem a sílaba tônica (formarem a sílaba subtônica), não serão acentuados: ceuzinho,
pasteizinhos, anzoizinhos. ATENÇÃO! penúltima posição da sílaba, ou
seja, quando o vocábulo for paroxítono: assembleia, jiboia, ideia, europeia,
heroico. Ressalto que até 31/12/2012 é facultativo recorrer ao novo Acordo
Ortográfico.
ATENÇÃO! O novo Acordo
não aboliu o acento diferencial de PÔDE. Você deve usá-lo.
ATENÇÃO! O novo Acordo também não aboliu o acento diferencial de PÔR. Você deve usá-lo.


 

5 Emprego das classes de palavras.

VARIAVEIS: 1-Substantivo 8-Preposição 2-Artigo 9-Conjunção 3-Adjetivo 10-Interjeição

INVARIAVEIS: 4-Numeral 5-Pronome 6-Verbo 7-Advérbio

Uma mesma palavra pode pertencer a mais de uma classe gramatical 

Ex.: O céu é AZUL. O AZUL triste dos seus olhos.

SUBSTANTIVO
Substantivos são palavras que designam os seres.

Ex.: As árvores tinham as folhas sacudidas pelo vento. 

ARTIGO
Artigos são palavras que antepomos aos substantivos para dar aos seres um sentido determinado ou indeterminado. Indica ,ao mesmo tempo, o gênero e o número dos substantivos.

Ex.: O menino saiu. Uma revista servirá para esta leitura.

ADJETIVO
Adjetivos são palavras que expressam as qualidades ou características dos seres.

Ex.: O menino está feliz. A menina é inteligente. 

NUMERAL
Os numerais são palavras que exprimem números, ordens numéricas, múltiplas ou frações.

Ex.: A maratona teve dois mil atletas e cheguei em terceiro lugar. 

PRONOME
Os pronomes são palavras que substituem os substantivos ou os determinam, indicando a pessoa do discurso.

Ex.: Eles são meus amigos.

VERBO
Os Verbos são palavras que exprimem ações, estados, fatos ou fenômenos.

Ex.: Eles foram ao cinema. Maria estudou muito. 

ADVÉRBIO
Os advérbios são palavras que modificam os sentidos dos verbos , dos adjetivos e dos próprios advérbios.

Ex.: Atualmente, eles estudam muito mais do que antes. 

PREPOSIÇÃO
As preposições são palavras invariáveis que ligam termos dependentes a termos principais, estabelecendo relações entre ambos.

Ex.: João saiu de casa cedo. Não sairei de casa sem ti.

CONJUNÇÃO
As conjunções são palavras invariáveis que ligam orações ou palavras da mesma oração.

Liga orações ou termos entre si. As conjunções podem ser coordenativas e subordinativas.

Conjunções coordenativas - ligam termos e orações sintaticamente equivalentes. Classificam-se em:

- aditivas - dão idéia de adição: e, nem, mas também, mais ainda, senão, também, como também, bem co mo . Levantei-me e expus minha opinião

- adversativa s - exprimem contraste, oposição, ressalva,
compensação: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, senão, ao passo que, no entanto, apesar disso.

Estava doente, no entanto foi trabalhar.

- alternativas- exprimem alternância: ou, ou… ou, ora… ora, já… já,

seja… seja, quer … quer .

-explicativa- exprime explicação, um motivo: que, porque, porquanto, pois.

As conjunções explicativas aparecem normalmente depois de orações imperativas.

Fale mais alto, porque não estou ouvindo você.

Venha, pois quero conversar com você.

- conclusivas - expressam conclusão: logo, portanto, por conseguinte, por isso, pois (depois de verbo).

Trabalha muito, logo deve ganhar bem.

- Conjunções subordinativas - ligam uma oração a outra, chamada principal, na qual desempenha função sintática.

Classificam-se em:

-integrantes - ligam orações substantivas:que ,se ,co mo .

Sonhei que o mundo havia acabado.

-causais - exprimem causa: porque, que, pois, co mo, visto que, desde que.

Continuei o trabalho sozinho, p o r q u e ele adoeceu.

-comparativa s - co mo, tal qual , assim como , que nem , co mo quanto

Talvez ninguém pense como nós pensamos.

- concessivas- exprimem concessão: embora, conquanto, ainda que,mesmo

que, por ma is que, por me no s que, se bem que, posto que, nem que, dado que, sem que.

Foi ao encontroe m b o r a estivesse atrasado

Condicionais - exprimem condição ou hipótese: se , caso, desde que, salvo se,
Contanto que, a não ser que, a menos que, sem que.

Não irei sem que ela me telefone.

-conformativa s - exprimem conformidade: co mo, conforme, segundo,

consoante.

.Cada um colhe conforme semeia.

-consecutivas - exprimem conseqüência: que (precedido de termos intensivos:

tal,tão, tanto, tamanho), de sorte que, de modo que, de forma que, de

maneira que, sem que.

Ele fala tão alto que ninguém entende.

Locuções conjuntivas - são conjuntos de palavras que atuam como conjunções. Essas locuções geralmente terminam em que: visto que, desde que , ainda que, por ma is que, à me di da que, à proporção que.

Estude a fim de que possa obter sucesso.

É importante saber:

As conjunções subordinativas integrantes introduzem as orações subordinadas substantivas.

As demais conjunções subordinativas introduzem as orações subordinadas adverbiais.

A classificação das conjunções deve ser feita a partir de seu emprego nas frases.

O estudo do valor das conjunções só será possível quando observarmos atentamente sua atuação no texto.

No estudo da Sintaxe, pode-se melhor compreender as relações que as conjunções estabelecem no período

Ex.: Eu e tu iremos ao cinema. Jogamos bem mas não vencemos. 

INTERJEIÇÃO
As interjeições são palavras que exprimem estados emotivos.

Ex.: Oba ! Já é sexta-feira. Opa ! Desculpe o encontrão. 

EMPREGOS DO "A"

1-Artigo definido – A menina saiu cedo

2-Pronome pessoal oblíquo – Eu a vi em sua sala.

3-Pronome demonstrativo – Eu sou a que no mundo anda perdida.

4-Preposição – Ela ainda se agarrava a fantasias.

"Neste (1) mundo há (2) lugar para todos (3). A boa (4) terra (5) é rica e

Pode (6) oferecer alimento para cada (7) um de (8) nós (9). O caminho (10) da vida pode ser livre (11) e magnífico, mas( 12 ) nós perdemos o caminho. A voracidade (13) envenenou a alma dos homens, apertou o mundo num círculo de ódio e obrigou-nos a( 14 ) entrar a passos de ganso na miséria e no sangue. Aumentamos a velocidade, mas somos os seus escravos. A mecanização que produz a abundância gerou (15) o desejo. (16) A nossa (17) ciência tornou-nos (18) cínicos, (19) e a nossa inteligência fez-nos duros(20) e mortais( 21 )." (O Grande Ditador - Charles Chaplin)

1 - este - pronome ( em + este - o "em" é preposição)
2 - há - verbo haver - 3ª pessoa do singular
3 - todos - pronome
4 - boa - adjetivo
5 - terra - substantivo
6 - pode - verbo poder (está usado como auxiliar de oferecer)
7 - cada - pronome
8 - de - preposição
9 - nós - pronome
10 - caminho - substantivo
11 - livre - adjetivo
12 - mas - conjunção
13 - voracidade - substantivo
14 - a - preposição (exigência do verbo)
15 - gerou ( verbo gerar)
16 - desejo - substantivo (o desejo)
17 - nossa - pronome
18 - nos - pronome
19 - cínicos - adjetivo
20 - duros - adjetivo
21 - mortais – adjetivo


 

6 Emprego do sinal indicativo de crase.

A palavra crase provém do grego (krâsis) e significa mistura. Na língua portuguesa, crase é a fusão de duas vogais idênticas, mas essa denominação visa a especificar principalmente a contração
ou fusão da preposição a com os artigos definidos femininos (a, as) ou com os pronomes demonstrativos a, as, aquele, aquela, aquilo, aquiloutro, aqueloutro .

Para saber se ocorre ou não a crase, basta seguir três regras básicas:

01) Só ocorre crase diante de palavras femininas, portanto nunca use o acento grave indicativo de crase diante de palavras que não sejam femininas.

Ex. O sol estava a pino. Sem crase, pois pino não é palavra feminina.

Ela recorreu a mim. Sem crase, pois mim não é palavra feminina.

Estou disposto a ajudar você. Sem crase, pois ajudar não é palavra feminina.


 

02) Se a preposição a vier de um verbo que indica destino (ir, vir, voltar, chegar, cair, comparecer, dirigir-se...), troque este verbo por outro que indique procedência (vir, voltar, chegar...); se, diante do que indicar procedência, surgir da, diante do que indicar destino, ocorrerá crase; caso contrário, não ocorrerá crase.

Ex. Vou a Porto Alegre. Sem crase, pois Venho de Porto Alegre.

Vou à Bahia. Com crase, pois Venho da Bahia.

Obs.: Não se esqueça do que foi estudado em Artigo.


 

03) Se não houver verbo indicando movimento, troca-se a palavra feminina por outra masculina; se, diante da masculina, surgir ao, diante da feminina, ocorrerá crase; caso contrário, não ocorrerá crase.

Ex. Assisti à peça. Com crase, pois Assisti ao filme.

Paguei à cabeleireira. Com crase, pois Paguei ao cabeleireiro.

Respeito as regras. Sem crase, pois Respeito os regulamentos.


 

Casos especiais

01) Diante das palavras moda e maneira, das expressões adverbiais à moda de e à maneira de, mesmo que as palavras moda e maneira fiquem subentendidas, ocorre crase.

Ex. Fizemos um churrasco à gaúcha.

Comemos bife à milanesa, frango à passarinho e espaguete à bolonhesa.

Joãozinho usa cabelos à Príncipe Valente.


 

02) Nos adjuntos adverbiais de modo, de lugar e de tempo femininos, ocorre crase.

Ex. à tarde, à noite, às pressas, às escondidas, às escuras, às tontas, à direita, à esquerda, à vontade, à revelia ...


 

03) Nas locuções prepositivas e conjuntivas femininas ocorre crase.

Ex. à maneira de, à moda de, às custas de, à procura de, à espera de, à medida que, à proporção que...


 

04) Diante da palavra distância, só ocorrerá crase, se houver a formação de locução prepositiva, ou seja, se não houver a preposição de, não ocorrerá crase.

Ex. Reconheci-o a distância.

Reconheci-o à distância de duzentos metros.


 

05) Diante do pronome relativo que ou da preposição de, quando for fusão da preposição a com o pronome demonstrativo a, as (= aquela, aquelas).

Ex. Essa roupa é igual à que comprei ontem.

Sua voz é igual à de um primo meu.


 

06) Diante dos pronomes relativos a qual, as quais, quando o verbo da oração subordinada adjetiva exigir a preposição a, ocorre crase.

Ex. A cena à qual assisti foi chocante. (quem assiste assiste a algo)


 

07) Quando o a estiver no singular, diante de uma palavra no plural, não ocorre crase.

Ex. Referi-me a todas as alunas, sem exceção.

Não gosto de ir a festas desacompanhado.


 

08) Nos adjuntos adverbiais de meio ou instrumento, a não ser que cause ambigüidade.

Ex. Preencheu o formulário a caneta.

Paguei a vista minhas compras.

Nota: Modernamente, alguns gramáticos estão admitindo crase diante de adjuntos adverbiais de meio, mesmo não ocorrendo ambigüidade.


 

09) Diante de pronomes possessivos femininos, é facultativo o uso do artigo, então, quando houver a preposição a, será facultativa a ocorrência de crase.

Ex. Referi-me a sua professora.

Referi-me à sua professora.


 

10) Após a preposição até, é facultativo o uso da preposição a, portanto, caso haja substantivo feminino à frente, a ocorrência de crase será facultativa.

Ex. Fui até a secretaria.

Fui até à secretaria.


 

11) A palavra CASA:

A palavra casa só terá artigo, se estiver especificada, portanto só ocorrerá crase diante da palavra casa nesse caso.

Ex. Cheguei a casa antes de todos.

Cheguei à casa de Ronaldo antes de todos.


 

12) A palavra TERRA:

Significando planeta, é substantivo próprio e tem artigo, conseqüentemente, quando houver a preposição a, ocorrerá a crase; significando chão firme, solo, só tem artigo, quando estiver especificada, portanto só nesse caso poderá ocorrer a crase.

Ex. Os astronautas voltaram à Terra.

Os marinheiros voltaram a terra.

Irei à terra de meus avós.


 

Para as questões de 01 a 34, assinale com "C" as frases corretas e com "I "as Incorretas:

01) ( ) A assistência às aulas é indispensável

02) ( ) É expressamente proibida a entrada de pessoas estranhas

03) ( ) Nunca te dirijas à pessoas despreparadas

04) ( ) Não vai a festa nem a igreja: não vai a parte alguma

05) ( ) Usarias um bigode à Salvador Dali?

06) ( ) Notícias ruins vêm à jato, as boas à cavalo

07) ( ) Esta novela nem se compara a que assistimos

08) ( ) Não me referi a essas caixas, mas as que estão na sala

09) ( ) Florianópolis possui muitas praias, as quais visitaremos

10) ( ) Prefiro esta matéria a aquela que estudávamos

11) ( ) Obedecerei àquilo que for determinado em lei

12) ( ) O deputado foi a Grécia comprar vinho

13) ( ) O professor foi a Taguatinga comprar pinga

14) ( ) Vocês, caros alunos, ainda visitarão a Europa

15) ( ) Gostaria de ir a Curitiba dos pinheirais

16) ( ) Chegou a casa e logo se jogou na cama

17) ( ) Jamais voltou à casa paterna

18) ( ) Irei a cada de meus pais

19) ( ) Os turistas foram à terra comprar flores

20) ( ) Os marujos desconheciam à terra do capitão

21) ( ) Acabarão chegando à terra dos piratas

22) ( ) Será que aqueles astronautas voltarão a Terra?

23) ( ) A polícia observava os manifestantes a distância

24) ( ) Via-se, a distância de cem metros, uma pequena rocha

25) ( ) Diga a Adriana que a estamos esperando

26) ( ) Avisa a Adriana, minha filha, que amanhã teremos prova

27) ( ) O diretor fez alusões a sua classe e não a minha

28) ( ) O cônsul enviou vária cartas as suas filhas

29) ( ) O conselheiro jamais perdoou a Dona Margarida

30) ( ) Esta alameda frondosa vai até à chácara de meu pai

31) ( ) Os meninos cheiravam a cola

32) ( ) Eles viviam à toa, mas sempre à procura de dinheiro

33) ( ) Enriqueciam a medida que os vizinhos se empobreciam

34) ( ) Estamos esperando desde às oito horas da manhã

35) Nas manchetes a seguir, assinale a alternativa em que não ocorre crase:

a) Cárter acusa Israel de criar obstáculos a paz

b) Presidente sírio pede a ajuda do Parlamento par vencer a corrupção

c) Itália pede a Alemanha extradição de nazistas

d) Poço na bacia de Campos leva Petrobrás a maior jazida já descoberta

36) Assinale a alternativa com erro:

a) Você já esteve em Roma? Eu irei logo a Roma

b) Refiro-me à Roma antiga, na qual viveu César

c) Fui a Lisboa de meus avós, pois lá todas as coisas têm gosto da minha infância

d) Já não agrada ir a Brasília. A gasolina está muito cara

37) Marque a alternativa em que a crase é facultativa:

a) Contei o caso à Maria

b) Paguei o que devia à dona da loja

c) Saiu às quinze horas

d) Por desobedecer às regras do jogo, fui expulso

38) A crase está errada na alternativa:

a) Fiz alusão à Roma antiga

b) Fazes referências à criaturas estranhas

c) Saíram às pressas

d) Obedecendo à ordem geral, compareceu ao desfile

39) Não ocorre crase:

a) Pediu desculpas a S. Exª

b) Assistiremos a missa

c) não o levaremos aqueles sombrios lugares

d) Lá estaremos as dezessete horas

Polícia Rodoviária Federal

Apostila de Português para Concursos 174

40) ____noite, todos os operários voltaram ____ fábrica e só deixaram o serviço _____ uma hora da

manhã:

a) Há – à - à

b) A – a - a

c) À – à - à

d) À – a - há

41) Assinale a alternativa em que a lacuna da primeira frase deve ser preenchida com a e a da Segunda

com à:

a)

I. As moças não gostam de andar ___ cavalo.

II. Ele percorreu o Brasil de ponta ___ ponta

b)

I. Essa é a tua caneta, eu me refiro ____ minha

II. Ele quer as coisa ___ ferro e fogo

c)

I. Regresso ___ casa paterna tal qual filho pródigo

II. Quem tem boca vai ___ Roma

d)

I. Apresento minhas desculpas ___ Vossa Excelência

II O menino voltou ___ escola com novo ânimo

42) Preencha corretamente as lacunas:

1. Apesar da insistência, não compareci ___ jantar

2. Ganhou uma jóia semelhante ___ que lhe haviam roubado

3. Naquele dia, não atendeu ___ nenhuma chamada

4. Aludiu ___ outras obras do autor

a) aquele – à – a - à

b) aquele – a – à - a

c) àquele – à – à - a

d) àquele – à – a – a

43) Preencha corretamente as lacunas:

1. Dirigiu-se ___ cada um em particular

2. Encostou a cabeça ___ parede

3. Todos vão ___ festa

4. Voltou apressado ___ casa do pai

5. O carro estava ___ uma distância de 50 passos

a) a – a – à – a – a

b) a – à – a – a- à

c) a – à – a – à - a

d) à – a – a – à - a

44) "Ele foi ___ cidade; dirigiu-se ___ referida pensão e aí, pondo-se ___ vontade, pediu ___ criada um

cozido ___ portuguesa":

a) à – à – a – a – à

b) à – a – a – a – à

c) a – a – a – à – à

d) à – à – à – à - à

45) "Agradeço ___ Vossa Senhoria ___ oportunidade para manifestar minha opinião ___ respeito."

a) à – a – à

b) à – a – a

c) a – a – à

d) a – a – a

46) Muita atenção, observe os períodos abaixo:

I. Sempre que ia à Rio Pardo, Maneco Terra costumava apresentar os seus cumprimentos à velha mãe

II. Graças à sua formação, ele está sempre mais predisposto ao perdão do que à justiça

III. Dedica-se com carinho à família, ao amanho da terra e às suas lavouras e plantações

IV. Solicito a V. Exº que dê permissão a esta funcionária para apresentar-se a nova repartição

V. Aspira, há muito, à nomeação para ao cargo a que tem direito adquirido e indiscutível

VI. A Aeronáutica colocou vários helicópteros à disposição, à fim de socorrer a todos os atingidos pelo

terremoto

A alternativa em que todos acentos indicadores da crase estão corretos é:

a) II, II, V, VI

b) II, III, V,

c) II, IV.

d) I, III

47) "____ esperança jamais _____ de acabar enquanto você tiver forças para vencer _____ decepções,

energia para superar ____ dificuldades ____ que todos estamos sujeitos:

a) A – há – as – as – a

b) À – há – às – as – a

c) A – a – as – as – a

d) A – há – às – as – à

48) Assinale o período em que há 2 casos de crase:

a) Chegando a casa, achou abertas as janelas

b) Agradecia as colegas os elogios feitos a pesquisa que apresenta

c) Referindo-se a poesia romântica, fez comentários a respeito de Castro Alves

d) Indiferentes as queixas, ia respondendo a pergunta

49) Examinando as sentenças:

- Refiro-me àquilo que discutimos

- Chegamos à Argentina de madrugada

- Ele era insensível à dor

- Dedico minhas poesia à Rita Mara

a) apenas uma está correta

b) apenas duas estão corretas

c) apenas três estão corretas

d) todas estão corretas

50) É preciso completar com à:

1. O deputado usou uma tática idêntica ___ que a oposição utilizara

2. A máquina de votar reduz ___ zero o número de seções eleitorais

3. Outros ataques se dirigem ___ técnica utilizada no filme

4. O filme passa abruptamente de cenas na alta sociedade ___ execução de prisioneiros

a) sim, não, sim, sim

b) não, não, não, não

c) sim, sim, não, sim

d) não , sim, sim não

51) Qual a alternativa conveniente?

1. Aquela é a moça ___ que aludi

2. Visei a alcançar ___ função

3. Os livros pertencem ao irmão e ___ irmã

4. Chegando ___ estação, João levantou-se

a) a – aquela – à - à

b) a – àquela – à - a

c) à – aquela – à - à

d) à – àquela – à – à

52) Em que frase o "A" não recebeu o acento grave corretamente:

a) O poeta chama ira à brutalidade, à violência da luta

b) Quanto às iras impotentes, são as mesmas sempre desprezíveis

c) À cólera se segue a aflição, que nos traz o arrependimento

d) Acredito que à ira nada se atreve, sem que a alma o consinta

53) Em que frase o "A" deve receber o acento indicador da crase?

a) Não me refiro aqui senão a catástrofes individuais

b) Assistiu a cena, sem que suas feições denotassem ressentimento

c) A que levam essas questões? A conhecer a ira, a conhecê-la bem

d) Não se atente a um mal menor quando um maior nos ameaça

54) Complete as lacunas:

1. Os convidados sentaram-se ___ mesa de jantar

2. Compareci ___ cerimônia de posse do novo governador

3. Não tendo podido ir ___ faculdade hoje, prometo assistir ____ todas as aulas amanhã

a) à – a – a - à

Polícia Rodoviária Federal

Apostila de Português para Concursos 176

b) na – na – à - a

c) à – à – à - a

d) há – na – à – à

55) Não devemos atribuir ___ ciência ___ responsabilidade pelas páginas ruins que a humanidade venha

___ escrever:

a) à – a - a

b) a – à – à

c) à – à - a

d) a – à - a

56) A vida comunitária impõe ___ todas as pessoas certas restrições e obriga-nos a submeter ___ nossa

vontade pessoal ___ vontade da maioria:

a) a – a - à

b) a – à – à

c) à – à - a

d) à – à - à

57) Preencha s lacunas:

1. Daqui ___ duas hora, dou-lhe isto pronto

2. Isto aconteceu ___ muitos anos

3. Daí ___ dias encontrei-o solto

a) a – há - a

b) à – a – à

c) às – a - há

d) a – a - a

58) Todas ___ Sexta-feira vamos ___ faculdade ___ pé, percorrendo a rua XV de ponta ___ponta:

a) às – à – a - a

b) às – à – à - a

c) às – à – à - à

d) as – à – a - a

59) Em que lacuna empregaríamos crase?

a) Joana esteve, ___ noite, em minha casa

b) Voltei ___ casa muito tarde

c) O tribuno referia-se ___ quaisquer pessoa

d) Estamos na vila ___ vinte anos

60) "Estou ___ seu dispor ___ qualquer hora da tarde, ___ menos que surja algum imprevisto:

a) a – à – à

b) à – à – a

c) à – à – à

d) a – a – a

61) "Estava ___ voltas com um problema, mas planejava, daí ___ pouco, ir ___ casa do comendador:

a) às – à - à

b) às – à - a

c) as - a - à

d) às – a – à

62) "As questões apresentadas ___ alunas do terceiro ano eram semelhantes ___ que enviamos ___ se

a) às – às - a

b) às – às - à

c) às – as - à

d) as – as – à

63) "Resistirei ___ pressão, pois estou prestes ___ transferir-me e devo evitar aborrecimentos ___ que

confiaram em mim:

a) à – a – às

b) a – à - às

c) à – à - às

d) a – a- às

64) Foi ___ conselho de amigos que se dirigiu ___ esse médico de quem ___ muito ouvira falar:

a) à – à - há

b) a – a - à

Polícia Rodoviária Federal

Apostila de Português para Concursos 177

c) a – à – à

d) a – a - há

Respostas Sobre Crase

01) C

02) C

03) I

04) C

05) C

06) I

07) I

08) I

09) C

10) I

11) C

12) I

13) C

14) C

15) I

16) C

17) C

18) C

19) I

20) I

21) C

22) I

23) C

24) I

25) C

26) I

27) I

28) I

29) C

30) C

31) C

32) C

33) I

34) I

35) B

36) C

37) A

38) B

39) A

40) C

41) D

42) D

43) C

44) D

45) D

46) B

47) A

48) B

49) D

50) A

51) A

52) D

53) B

54) C

55) A

56) A

57) A

58) D

59) A

60) D

61) D

62) B

63) A

64) D


 

7 Sintaxe da oração e do período.


 

1- Frase
É a reunião de palavras que expressam uma idéia completa, constitui o elemento fundamental da linguagem, não precisa necessariamente conter verbos.
Ex.:"Final de ano, início de tormento". ( Revista Nova Escola, 11/00)

2- Oração
É idéia que se organiza em torno de um verbo.
Ex.: "Tudo começa com o pagamento da dívida." ( Revista Vida Pessoal, 12/99, p.07)


 


O verbo pode estar elíptico (não aparece, mas existe)
Ex.: "O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato fez tanto sucesso quanto (fizeram) os Fradinhos que Henfil lançou nas páginas do Pasquim." 
(Revista Época, 24.05.99, p.06)


 


 

3- Período
É o conjunto de orações. Ele pode ser constituído por uma ou mais orações.
O período pode ser:
simples- constituído por apenas uma oração
Ex.: "Macunaíma é o herói com muita preguiça e sem nenhum caráter". (Época, 24.05.99, p.7)

composto- constituído por mais de uma oração.
Ex.: "Nós não podemos fingir /que as crianças não têm inconsciente".
(Nova Escola, 11/00)

Elemento da oração a respeito do qual damos alguma informação. Seu núcleo (palavra mais importante) pode ser um substantivo, pronome ou palavra substantivada.

Ex.: "O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato fez tanto sucesso quanto (fizeram) os Fradinhos que Henfil lançou nas páginas do Pasquim." (Revista Época, 24.05.99, p.06)
Sujeito da 1ª oração: O Jeca-Tatu de Monteiro Lobato
Núcleo do sujeito: Jeca-Tatu (substantivo)

Tipos de sujeito:

  • Simples
  • Composto
  • Oculto, elíptico ou desinencial
  • Indeterminado
  • Inexistente ou oração sem sujeito

    Sujeito Simples
    Aquele que possui apenas um núcleo.
    Ex.: "Livros ganham as prateleiras dos supermercados." ( Época, 24.05.99, p.124)
    núcleo: livros

    Sujeito Composto
    Aquele que possui mais de um núcleo.
    Ex.: Jogadores e torcedores reclamaram da arbitragem.
    núcleos: jogadores, torcedores

    Sujeito oculto, elíptico ou desinencial
    Aquele que não vem expresso na oração, mas pode ser facilmente identificado pela desinência do verbo.
    Ex.: "Aonde vou, o que quero da vida?" ( Estado de Minas, 02.07.00, p.21)
    Apesar do sujeito não estar expresso, pode ser identificado nas duas orações: eu.

    Sujeito indeterminado
    Aquele que não se quer ou não se pode identificar.
    Ex.: Vive-se melhor em uma cidade pequena.
    Absolveram o réu.

    O sujeito pode ser indeterminado em duas situações:

  • verbo na terceira pessoa do plural sem sujeito expresso: Telefonaram por engano para minha casa.
  • verbo na terceira pessoa do singular acompanhado do pronome SE (índice de indeterminação do sujeito): Acredita-se na existência de políticos honestos.
  • Sujeito inexistente ou oração sem sujeito
    A informação contida no predicado não se refere a sujeito algum. Ocorre oração sem sujeito quando temos um verbo impessoal.O verbo é impessoal quando:

  • Indica fenômenos da natureza (chover, nevar, amanhecer, etc.). Ex.: Anoiteceu muito cedo. Choveu muito no Rio de Janeiro este mês.
  • Fazer, ser, estar indicarem tempo cronológico. Ex.: Faz meses que ele não aparece. Já é uma hora da tarde. Está quente em São Paulo.
  • Haver tiver sentido de existir. Ex.: Havia mulheres na sala.

    Predicado

    É tudo aquilo que se informa sobre o sujeito e é estruturado em torno de um verbo. Ele sempre concorda em número e pessoa com o sujeito.
    Quando é um caso de oração sem sujeito, o verbo do predicado fica na forma impessoal, 3ª pessoa do singular. O núcleo do predicado pode ser um verbo significativo, um nome ou ambos.
    Ex.: "Seu trabalho tem uma ligação muito forte com a psicanálise". 
    (Revista Nova Escola, 11/00)

    Tipos de predicado:

  • Verbal
  • Nominal
  • Verbo-nominal

    Predicado verbal
    Aquele que tem como núcleo (palavra mais importante) um verbo significativo.
    Ex.: Ministro anuncia reajuste de impostos.
    Núcleo: anuncia (verbo significativo)


  • O verbo significativo pode ser: transitivo direto (VTD), transitivo indireto (VTI), transitivo direto e indireto (VTDI) ou intransitivo (VI).
    Ex.: O técnico comprou várias bolas. VTD
    O técnico gosta de bolas novas. VTI
    O técnico prefere melhores condições de trabalho a aumento de salário. VTDI
    O técnico viajou. VI

    Predicado nominal
    Aquele cujo núcleo é um nome (predicativo). Nesse tipo de predicado, o verbo não é significativo e sim de ligação.Serve de elo entre o sujeito e o predicativo.
    Ex.: Todos estavam apressados.
    Núcleo: apressados (predicativo)

    Predicado verbo-nominal
    Aquele que possui dois núcleos: um verbo significativo e um predicativo do sujeito ou do objeto.
    Ex.: O juiz julgou o réu culpado.
    Núcleos:
    julgou- verbo significativo
    culpado- predicativo do objeto (o réu)

    Termos ligados ao nome

    Existem alguns termos que se ligam aos nomes. São eles:

  • Adjunto adnominal
  • Complemento nominal
  • Predicativo
  • Aposto

    Adjunto adnominal
    É o termo que se liga a um nome ou palavra substantivada para qualificá-lo ou determiná-lo. É expresso geralmente por um adjetivo, locução adjetiva, artigo, pronome ou numeral.
    Ex.: "Neste Natal, estimule a criatividade de seus alunos". (Revista Nova Escola, 11/00)

    Complemento nominal
    É o termo da oração exigido como complementação de alguns nomes (substantivos, adjetivos ou advérbios). Geralmente é regido de preposição.
    Ex.: "A criança tinha necessidade de brincadeiras."
    Os turistas tinham disposição para a caminhada.

    Predicativo
    É o termo da oração que qualifica, classifica ou expressa um estado do núcleo do sujeito ou do núcleo do objeto.
    Ex.: Os torcedores saíram alegres. (predicativo do sujeito)
    Os torcedores consideraram o jogo fraco. (predicativo do objeto)

    Aposto
    É o termo da oração que resume, explica ou especifica um nome.
    Ex.:"Graças ao pai da psicanálise, Sigmund Freud, a masturbação começou a ser entendida com um hábito saudável em qualquer idade, da infância à velhice." (Revista Nova Escola, 11/00) 


  • O aposto geralmente vem marcado por algum tipo de pontuação: vírgula, travessão, parênteses ou dois-pontos.
    Ex.: Algumas frutas- duas ou três- foram escolhidas para a exposição.

    Termos ligados ao verbo

    Existem alguns termos que se ligam aos verbos. São eles:

  • Adjunto adverbial
  • Agente da passiva
  • Objeto direto
  • Objeto indireto

    Adjunto adverbial
    É o termo da oração que se liga ao verbo, adjetivo ou advérbio para indicar uma circunstância ( tempo, lugar, modo, intensidade, negação, finalidade...).
    Ex.: "Na escola, fala-se muito pouco sobre o que as crianças pensam espontaneamente". circunstância de lugar (Revista Nova Escola, 11/00)
    "Depois de refletir, uma menina ergueu a mão".circunstância de tempo 

    Agente da passiva
    É o termo da oração que se liga ao verbo para indicar o agente da ação verbal. Sempre vem precedido de preposição.
    Ex.: O abaixo-assinado foi feito pelos alunos.


  • O agente da passiva só existe quando a oração estiver na voz passiva.

    Objeto direto
    É o termo da oração que completa o verbo transitivo direto (VTD) sem mediação de uma preposição.
    Ex.:"A prática estimula a reflexão filosófica independentemente da leitura".
    (Revista Nova Escola, 11/00)


    Você sabe o que é um objeto direto preposicionado? Como não confundi-lo com um objeto indireto?
    O objeto direto preposicionado completa um verbo transitivo direto (VTD) enquanto um objeto indireto completa um verbo transitivo indireto (VTI). Geralmente é usado para solucionar casos de ambigüidade de oração ou por uma questão de estilo.  
    Ex.:"Amou a seu pai com a mais plena grandeza da alma". (FEFASP)
    amar (VTD); a seu pai (objeto direto preposicionado)

    Objeto indireto
    É o termo que completa um verbo transitivo indireto (VTI) com mediação de uma preposição.
    Ex.: Na formatura, ele lembrou-se da faculdade.

    Vocativo 

    É o único termo isolado dentro da oração, pois não se liga ao verbo nem ao nome. Não faz parte do sujeito nem do predicado. A função do vocativo é chamar ou interpelar o elemento a que se está dirigindo. É marcado por sinal de pontuação e admite anteposição de interjeição de chamamento.
    Ex.: Pai, perdoai nossos pecados.
    Querida, obrigado pela surpresa.


     

    Período Composto

    Conjunto de orações constituído por mais de uma oração.

    Período composto por coordenação

    No período composto por coordenação, as orações se ligam pelo sentido, mas não existe dependência sintática entre elas.

    As orações coordenadas de subdividem em:

  • Assindéticas- Não são introduzidas por conjunção.
    Ex.: Trabalhou, sempre irá trabalhar.
  • Sindéticas- São introduzidas por conjunção. Esse tipo de oração se subdivide em: 

    1- Aditiva: idéia de adição, acréscimo. Principais conjunções usadas: e, nem, (não somente) ...como também.
    Ex.: O professor não somente elaborou exercícios como também uma extensa prova.

    2- Adversativa: idéia de contraste, oposição. Principais conjunções usadas: mas, contudo, entretanto, porém...
    Ex.: O professor elaborou um exercício simples, mas a prova foi bastante complexa.

    3- Alternativa: idéia de alternativa, exclusão. Principais conjunções usadas: quer...quer, ora...ora, ou...ou.
    Ex.: Ou o professor elabora o exercício ou desiste de aplicar a prova.

    4- Conclusiva: idéia de dedução, conclusão. Principais conjunções usadas: portanto, pois, logo... 
    Ex.: O professor não elaborou a prova, logo não poderá aplicá-la na data planejada. 

    5- Explicativa: idéia de explicação, motivo. Principais conjunções usadas: pois, porque.
    Ex.:O professor não elaborou a prova, porque ficou doente.



    A conjunção pois pode introduzir orações conclusivas ou explicativas.Quando tiver dúvidas, procure substituí-la por outras conjunções.

  • Período composto subordinado

    No período subordinado, existem pelo menos uma oração principal e uma subordinada.A oração principal é sempre incompleta, ou seja, alguma função sintática está faltando.As orações subordinadas desempenham a função sintática que falta na principal: objeto direto, indireto, sujeito, predicativo, complemento nominal...

    Ex.: O rapaz gostava / de que todos olhassem para ele.

    Oração principal: O rapaz gostava
    Oração subordinada: de que todos olhassem para ele.

    A oração principal está incompleta, falta objeto indireto para o verbo gostar, o oração subordinada desempenha a função de objeto indireto da principal.

    As orações subordinadas se subdividem em:


     

    As orações desenvolvidas são aquelas nas quais o verbo está conjugado em algum tempo: presente, pretérito e futuro.
    Ex.: Esperamos que passe de ano.

    As orações reduzidas são aquelas nas quais o verbo está em uma das formas nominais: infinitivo, gerúndio ou particípio.
    Ex.: Só sei cantar em italiano.

    Orações subordinadas substantivas 

    As orações subordinadas substantivas exercem funções específicas do substantivo: sujeito, objeto, predicativo...


    As orações subordinadas substantivas desenvolvidas são introduzidas pelas conjunções integrantes se ou que e possuem verbos conjugados. As orações subordinadas substantivas reduzidas não são introduzidas por conjunções e possuem verbos na formas nominais (particípio, gerúndio ou infinitivo).
    Ex.: É possível que eu fracasse. ( oração desenvolvida)
    É possível fracassar. ( oração reduzida de infinitivo)

    As orações subordinadas substantivas podem ser:

    1- Orações subordinadas substantivas objetivas diretas
    Exercem a função de objeto direto do verbo da oração principal.
    Ex.: "Paulo José observa que o anti-heroísmo é uma característica forte dos personagens da cultura latino-americana. (EM. 01.10.00)

    2- Orações subordinadas substantivas objetivas indiretas
    Exercem a função de objeto indireto do verbo da oração principal.
    Ex.: A nova máquina necessitava de que os funcionários supervisionassem mais o trabalho.  

    3- Orações subordinadas substantivas predicativas
    Exercem a função de predicativo do sujeito da oração principal.
    Ex.: Meu consolo era que o trabalho estava no fim.

    4- Orações subordinadas substantivas subjetivas
    Exercem a função de sujeito da oração principal.
    Ex.: É difícil que ele venha.


    O verbo da oração principal sempre estará na 3ª pessoa do singular quando a oração subordinada por subjetiva.

    5- Orações subordinadas substantivas completivas nominais
    Exercem a função de complemento nominal da oração principal.
    Ex.: Sua falha trágica é a dificuldade de ser maleável em relação à realidade.

    6- Orações subordinadas substantivas apositivas
    Exercem a função de aposto de algum nome da oração principal.
    Ex.:Há nas escolas uma norma: que os alunos são respeitados.


    A oração apositiva sempre estará pontuada, ou entre vírgulas ou depois de dois pontos.

    Orações subordinadas adjetivas 

    Podem ser:

    1- Restritivas
    Exercem a função de adjunto adnominal da oração principal, restringem o nome ao qual se referem, não são separadas por vírgulas.
    Ex.: O trabalho que realizei ontem foi produtivo.

    2- Explicativas
    Exercem a função de aposto da oração principal, explicam o nome ao qual se referem, são sempre separadas por vírgulas.
    Ex.: O computador, que é um meio rápido de comunicação, está conquistando todas as famílias.


    As orações subordinadas adjetivas sempre serão introduzidas por pronomes relativos.  

    Período composto subordinado adverbial 

    Orações subordinadas adverbiais:

    1- Causais
    Expressam a causa da conseqüência expressa na oração principal.
    Ex.: Chegou atrasado ao encontro, porque estava em uma reunião.

    2- Consecutivas
    Expressam a conseqüência, o resultado da causa expressa na oração principal.
    Ex.: A reunião atrasou tanto que ele se atrasou para o encontro.

    3- Proporcionais
    Expressam proporção.
    Ex.: À medida que a reunião avançava, ele se atrasava para o encontro.

    4- Temporais
    Expressam tempo.
    Ex.: Logo que ele chegou, arrumou os trabalhos.

    5- Finais
    Expressam finalidade, objetivo.
    Ex.: Professores, tenham mais argumentos para pedir aumento salarial.

    6- Condicionais
    Expressam condição, obstáculo.
    Ex.: Se ele partir, o projeto será cancelado.

    7- Comparativas
    Expressam comparação.
    Ex.: Sua família é tão importante quanto seu trabalho.

    8- Concessivas
    Expressam uma concessão.
    Ex.: Mesmo que trabalhe muito, não será recompensada.

    9- Conformativas
    Expressa um acordo, uma conformidade.
    Ex.: Segundo havíamos combinado, o viagem será cancelada.

    Concordância 

    É o mecanismo pelo qual as palavras alteram sua terminação para se adequarem harmonicamente na frase.
    A concordância pode ser feita de três formas:

    1 - Lógica ou gramatical – é a mais comum no português e consiste em adequar o determinante(acompanhante) à forma gramatical do determinado(acompanhado) a que se refere.
    Ex.: A maioria dos professores faltou. 
    O verbo (faltou) concordou com o núcleo do sujeito (maioria)
    Ex.: Escolheram a hora adequada.
    O adjetivo (adequada) e o artigo (a) concordaram com o substantivo (hora).

    2 - Atrativa – é a adequação do determinante :
    a) a apenas um dos vários elementos determinados, escolhendo-se aquele que está mais próximo:
    Escolheram a hora e o local adequado.
    O adjetivo (adequado) está concordando com o substantivo mais próximo (local)
    b) a uma parte do termo determinado que não constitui gramaticalmente seu núcleo:
    A maioria dos professores faltaram.
    O verbo (faltaram) concordou com o substantivo (professores) que não é o núcleo do sujeito.
    c) a outro termo da oração que não é o determinado:
    Tudo são flores.
    O verbo (são) concorda com o predicativo do sujeito (flores).

    3 - Ideológica ou silepse- consiste em adequar o vocábulo determinante ao sentido do vocábulo determinado e não à forma como se apresenta:
    O povo, extasiado com sua fala, aplaudiram. 
    O verbo (aplaudiram) concorda com a idéia da palavra povo (plural) e não com sua forma (singular).


     

    8 Pontuação.


     

    Vírgula (,)

    Emprego da vírgula no período simples quando se trata de separar termos de uma mesma oração, deve-se usar a vírgula nos seguintes casos:


     

    1. Para isolar adjuntos adverbiais deslocados:

    Ex. A maioria dos alunos, durante as férias, viajam.

    2. Para isolar os objetos pleonásticos:

    Ex. Os meus amigos, sempre os respeito.

    3. Para isolar o aposto explicativo:

    Ex. Londrina, a terceira cidade do Sul do Brasil, é aprazibilíssima.

    4. Para isolar o vocativo:

    Ex. Alberto! Traga minhas calças até aqui!

    5. para separar elementos coordenados:

    Ex. As crianças, os pais, os professores e os diretores irão ao convescote.

    6. Para indicar a elipse do verbo:

    Ex. Ela prefere filmes românticos; o namorado, de aventura. (o namorado prefere filmes de aventura)

    7. Para separar, nas datas, o lugar:

    Ex. Londrina, 20 de novembro de 1996.

    8. Para isolar conjunção coordenativa intercalada:

    Ex. Os candidatos, porém, não respeitaram a lei.

    9. Para isolar as expressões explicativas isto é, a saber, melhor dizendo, quer dizer...

    Ex. Irei para Águas de Santa Brárbara, melhor dizendo, Bárbara.


     

    Emprego da vírgula no período composto

    Período composto por coordenação: as orações coordenadas devem sempre ser separadas por

    vírgula.

    Ex. Todos gostamos de seus projetos, no entanto não há verbas para viabilizá-los

    Nota: as orações coordenadas aditivas iniciadas pela conjunção e só terão vírgula, quando os sujeitos forem diferentes e quando o e aparecer repetido.

    Ex. Ela irá no primeiro avião, e seus filhos no próximo.

    Ele gritava, e pulava, e gesticulava como um louco.


     

    Período composto por subordinação

    Orações subordinadas substantivas: não se separam por vírgula.

    Ex. É evidente que o culpado é o mordomo.

    Orações subordinadas adjetivas: só a explicativa é separada por vírgula.

    Ex. Londrina, que é a terceira cidade do Sul do Brasil, é aprazibilíssima.

    Orações subordinadas adverbiais: sempre se separam por vírgula.

    Ex. Assim que chegarem as encomendas, começaremos a trabalhar.


     

    Ponto-e-vírgula (;)


     

    O ponto-e-vírgula indica uma pausa um pouco mais longa que a vírgula e um pouco mais breve que o ponto.

    O emprego do ponto-e-vírgula depende muito do contexto em que ele aparece.

    Podem-se seguir as seguintes orientações para empregar o ponto-e-vírgula:

    Para separar duas orações coordenadas que já contenham vírgulas:

    Ex. Estive a pensar, durante toda a noite, em Diana, minha antiga namorada; no entanto, desde o último verão, estamos sem nos ver.

    Para separar duas orações coordenadas, quando elas são longas:

    Ex. O diretor e a coordenadora já avisaram a todos os alunos que não serão permitidas brincadeiras durante o intervalo nos corredores; porém alguns alunos ignoram essa ordem.

    Para separar enumeração após dois pontos:

    Ex. Os alunos devem respeitar as seguintes regras:

    - não fumar dentro do colégio;

    - não fazer algazarras na hora do intervalo;

    - respeitar os funcionários e os colegas;

    - trazer sempre o material escolar.


     

    Dois-pontos (:)


     

    Deve-se empregar esse sinal:

    Para iniciar uma enumeração:

    Ex. Compramos para a casa o seguinte: mesa, cadeiras, tapetes e sofás.

    Para introduzir a fala de uma personagem:

    Ex. Sempre que o professor Luís entra em sala-de-aula diz:

    __ Essa moleza vai acabar!

    Para esclarecer ou concluir algo que já foi dito:

    Ex. Essa moleza vai acabar!: essas são as palavras do professor Luís.


     

    Reticências ( ... )

    As reticências são empregadas:

    Para indicar uma certa indecisão, surpresa ou dúvida na fala da personagem:

    Ex. João Antônio! Diga-me... você... me traiu?

    Para indicar que, num diálogo, a fala de uma personagem foi interrompida pela fala da outra:

    Ex. __ Como todos já deram sua opinião...

    __ Um momento, presidente, ainda tenho um assunto a tratar.

    Para sugerir ao leitor que complete o raciocínio contido na frase:

    Ex. Durante o ano ficou claro que o aluno que não atingisse 150 pontos seria reprovado; você atingiu 145, portanto...

    Para indicar, numa citação, que certos trechos do texto foram exclusos:

    Ex. "No momento em que a tia foi pagar a conta, Joana pegou o livro..." (Clarice Lispector)

    Exercícios

    Código:

    01) palavra repetida

    02) termos antepostos (quando repetidos pleonasticamente)

    03) adjunto adverbial deslocado

    04) oração coordenada assindética

    05) orações coord. sind. aditivas com sujeitos diferentes;

    06) oração interferente

    07) vocativo

    08) conjunção deslocada

    09) oração subordinada adjetiva explicativa

    10) zeugma

    11) aposto

    12) predicativo

    13) expressão explicativa, conclusiva, retificativa, enfática...

    14) termo coordenados

    15) data

    16) oração coordenada sindética

    17) polissíndeto

    18) oração subordinada adverbial deslocada

    19) idéias paralelas dos provérbios

    01) ( ) Possuía lavouras de trigo linho arroz e soja

    02) ( ) Roda meu carro que é curto o caminho

    03) ( ) Bem-vindo sejas aos campos do tabajaras senhores da aldeia

    04) ( ) O aluno enlouquecido queria decorar toda as regras

    05) ( ) Em suma o concurso foi fraco e as vagas poucas

    06) ( ) O coitadinho era feio feio...

    07) ( ) Vitória 10 de março de 1999

    08) ( ) Ganhamos pouco; devemos portanto economizar

    09) ( ) O dinheiro nós o trazíamos preso ao corpo

    10) ( ) Amanhã de manhã o Presidente viajará para a Bósnia

    11) ( ) Ele fez o mar e o céu e a terra e tudo quanto há neles

    12) ( ) Casa de ferreiro espeto de pau

    13) ( ) A mocinha olhou sorriu e piscou os olhinhos e entrou

    14) ( ) A noite não acabava e a insônia a encompridou mais ainda

    15) ( ) O sinal estava fechado porém os carros não pararam

    16) ( ) Quanto mais se agitava mais preso à rede ficava

    17) ( ) A riqueza que é flor belíssima causa luto e tristeza

    18) ( ) Venham gritavam as crianças ver nossos brinquedos

    19) ( ) Uns diziam que se matou; outros que fora para Goiás

    20) Assinale a letra que corresponde ao único período de pontuação correta

    a) Pouco depois, quando chegaram, outras pessoas a reunião ficou mais animada

    b) Pouco depois quando chagaram outras pessoas a reunião ficou mais animada

    c) Pouco depois, quando chegaram outras pessoa, a reunião ficou mais animada

    d) Pouco depois quando chegaram outras pessoas, a reunião ficou mais animada

    21) Idem ao anterior:

    a) Precisando de mim, procure-me; ou melhor, telefone, que eu venho

    b) Precisando de mim procure-me; ou melhor telefone, que eu venho

    c) Precisando de mim procure-me, ou, telefone, melhor que eu venho

    d) Precisando, de mim, telefone-me, ou melhor, procure-me que eu venho

    22) Assinale a pontuação errada:

    a) Falei com ele com tanta segurança, que nem discordou de mim.

    b) Porque falei com ela, para mim não há mais dúvidas

    c) Falei com ela que eu, estaria aqui cedo hoje se tudo corresse bem

    d) Falei ao chefe que, se o plano corresse bem, estaríamos salvos

    23) Dadas as sentenças:

    1. Quase todos os habitantes daquela região pantanosa e afastada da civilização morrem de malária

    2. Pedra, que rola, não cria limo

    3. Muitas pessoas observavam com interesse, o eclipse solar

    - Deduzimos que:

    a) apenas a nº 1 está correta

    b) apenas a nº 2 está correta

    c) apenas a nº 3 está correta

    d) todas estão corretas

    Para as questões de 24 a 36, assinale o único item correto em relação à pontuação:

    24) Correto:

    a) Não nego que, ao avistar, a cidade natal tive uma boa sensação

    b) Não nego, que ao avistar a cidade natal tive, uma boa sensação

    c) Não nego; que ao avistar a cidade natal, tive uma boa sensação

    d) Todos estão incorretos

    25) Correto:

    a) Os rapazes continuaram a bradar e a rir, e, Rubião foi andando, com o mesmo coro atrás de si

    b) Os rapazes continuaram a bradar, e a rir, e Rubião foi andando, com o mesmo coro, atrás de si

    c) Os rapazes continuaram a bradar e a rir, e Rubião foi andando com o mesmo coro atrás de si

    d) Todos estão incorretos

    26) Correto:

    a) A dor suspendeu por um pouco, as tenazes; um sorriso alumiou o rosto da enferma, sobre o qual, a morte batia a asa eterna

    b) A dor suspendeu por um pouco as tenazes; um sorriso alumiou o rosto da enferma, sobre o qual a morte batia a asa eterna

    c) A dor suspendeu por um pouco, as tenazes, um sorriso alumiou o rosto da enferma; sobre o qual a morte batia a asa eterna

    d) Todos estão corretos

    27) Correto:

    a) Longa, foi a agonia longa e cruel, de uma crueldade minuciosa, fria, repisada; que me encheu de dor e estupefação. Era a primeira vez, que eu via morrer alguém

    b) Longa foi a agonia, longa e cruel, de uma crueldade minuciosa; fria; repisada; que me encheu de dor e estupefação. Era a primeira vez que eu via morrer alguém

    c) Longa foi a agonia, longa e cruel, de uma crueldade minuciosa, fria, repisada, que me encheu de dor e estupefação. Era a primeira vez que eu via morrer alguém

    d) Todas estão incorretas

    28) Correto:

    a) Chegando à vila, tive a má notícia do coronel. Era homem insuportável, estúrdio, exigente, ninguém o aturava, nem os próprios amigos

    b) Chegando à vila tive más notícias do coronel,. Era homem insuportável, estúrdio, exigente, ninguém o aturava, nem os próprios amigos

    c) Chegando à vila, tive más notícias do coronel. Era homem insuportável; estúrdio; exigente; ninguém o aturava; nem os próprios amigos

    d) Todos estão corretos

    29) Assinale o item correto:

    a) Ouvimos passos no corredor, era D. Fortunata. Capitu compôs-se depressa; tão depressa que, quando a mãe apontou à porta, ela abanava a cabeça e ria

    b) Ouvimos passos no corredor; era D. Fortunata. Capitu, compôs-se depressa, tão depressa, que quando a mãe apontou à porta, ela abanava a cabeça e ria

    c) Ouvimos passos no corredor; era D. Fortunata. Capitu compôs-se depressa, tão depressa que: quando a mãe apontou à porta, ela abanava a cabeça e ria

    d) Todos estão corretos.

    30) Assinale o item correto:

    a) Começou porém, um resumo. No fim de dez minutos, a comadre não entendia nada, tão

    desconcertados eram os fatos e os conceitos; mais cinco minutos; entrou a sentir medo

    b) Começou, porém, um resumo. No fim de dez minutos, a comadre não entendia nada, tão

    desconcertados eram os fatos e os conceitos; mais cinco minutos, entrou a sentir medo

    c) Começou, porém, um resumo. No fim, de dez minutos, a comadre não entendia nada; tão

    desconcertados eram os fatos e os conceitos, mais cinco minutos, entrou, a sentir medo

    d) Todos estão incorretos

    31) Assinale o item correto:

    a) A cara, ficou séria porque a morte é séria,; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação

    b) A cara ficou séria: porque a morte é séria; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação

    c) A cara ficou séria, porque a morte é séria; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação

    d) Todos estão corretos

    32) Assinale o item incorreto:

    a) Tudo era matéria às curiosidades de Capitu. Caso houve, porém, no qual não sei se aprendeu ou ensinou, ou se fez ambas as coisas, como eu.

    b) Tudo era matéria às curiosidades de Capitu. Caso houve, porém, no qual não sei se aprendeu, ou ensinou, ou se fez ambas as coisas como eu.

    c) Tudo era matéria às curiosidades de Capitu. Caso houve porém, no qual não sei, se aprendeu ou ensinou, ou se fez ambas as coisas como eu.

    d) Todos estão incorretos

    33) Assinale o item correto:

    a) A primeira idéia foi retirar-me logo cedo, a pretexto de ter meu irmão doente; e, na verdade, recebera carta dele, alguns dias antes, dizendo-me que se sentia mal.

    b) A primeira idéia foi retirar-me, logo cedo, a pretexto de ter meu irmão doente; e na verdade recebera carta dele, alguns dias antes, dizendo-me, que se sentia mal.

    c) A primeira idéia, foi retirar-me logo cedo, a pretexto de ter meu irmão doente, e, na verdade recebera carta dele, alguns dias antes, dizendo-me que se sentia mal.

    d) Todos estão incorretos

    Para as questões de 983 a 985, assinale o item correto em relação ao emprego dos sinais de pontuação.

    Respostas Sobre Pontuação

    01) (14)

    02) (07)

    03) (11)

    04) (12)

    05) (13)

    06) (01)

    07) (15)

    08) (08)

    09) (02)

    10) (03)

    11) (17)

    12) (19)

    13) (04)

    14) (05)

    15) (16)

    16) (18)

    17) (09)

    18) (06)

    19) (10)

    20) C

    21) A

    22) C

    23) A

    24) D

    25) C

    26) B

    27) C

    28) A

    29) A

    30) B

    31) B

    32) C

    33) A


     

    9 Concordância nominal e verbal.

    Concordância

    É o mecanismo pelo qual as palavras alteram sua terminação para se adequarem harmonicamente na frase.
    A concordância pode ser feita de três formas:

    1 - Lógica ou gramatical – é a mais comum no português e consiste em adequar o determinante(acompanhante) à forma gramatical do determinado(acompanhado) a que se refere.
    Ex.: A maioria dos professores faltou
    O verbo (faltou) concordou com o núcleo do sujeito (maioria)
    Ex.: Escolheram a
    hora
    adequada.
    O adjetivo (adequada) e o artigo (a) concordaram com o substantivo (hora).

    2 - Atrativa – é a adequação do determinante :
    a) a apenas um dos vários elementos determinados, escolhendo-se aquele que está mais próximo:
    Escolheram a hora e o local
    adequado.
    O adjetivo (adequado) está concordando com o substantivo mais próximo (local)
    b) a uma parte do termo determinado que não constitui gramaticalmente seu núcleo:
    A maioria dos professores faltaram.
    O verbo (faltaram) concordou com o substantivo (professores) que não é o núcleo do sujeito.
    c) a outro termo da oração que não é o determinado:
    Tudo são
    flores.
    O verbo (são) concorda com o predicativo do sujeito (flores).

    3 - Ideológica ou silepse- consiste em adequar o vocábulo determinante ao sentido do vocábulo determinado e não à forma como se apresenta:
    O povo, extasiado com sua fala, aplaudiram
    O verbo (aplaudiram) concorda com a idéia da palavra povo (plural) e não com sua forma (singular).

    Existem dois tipos de concordância:

    Concordância Verbal 

    Ocorre quando o verbo se flexiona para concordar com o seu sujeito.
    Ex.: Ele gostava daquele seu jeito carinhoso de ser./ Eles gostavam daquele seu jeito carinhoso de ser.

    Casos de concordância verbal:
     
    1) Sujeito simples

    Regra geral: o verbo concorda com o núcleo do sujeito em número e pessoa.
    Ex.: Nós vamos ao cinema.
    O verbo (vamos) está na primeira pessoa do plural para concordar com o sujeito (nós).

    Casos especiais:
    a) O sujeito é um coletivo- o verbo fica no singular.
    Ex.:A multidão gritou pelo rádio.

    Se o coletivo vier especificado, o verbo pode ficar no singular ou ir para o plural.
    Ex.: A multidão de fãs gritou./ A multidão de fãs
    gritaram.

    b) Coletivos partitivos (metade, a maior parte, maioria, etc.) – o verbo fica no singular ou vai para o plural.
    Ex.: A maioria dos alunos foi à excursão./ A maioria dos alunos foram à excursão.

    c) O sujeito é um pronome de tratamento- o verbo fica sempre na 3ª pessoa (do singular ou do plural).
    Ex.: Vossa Alteza pediu silêncio./ Vossas Altezas pediram silêncio.

    d) O sujeito é o pronome relativo que – o verbo concorda com o antecedente do pronome.
    Ex.: Fui eu que derramei o café./ Fomos nós que derramamos o café.

    e) O sujeito é o pronome relativo quem- o verbo pode ficar na 3ª pessoa do singular ou concordar com o antecedente do pronome.
    Ex.: Fui eu quem derramou o café./ Fui eu quem derramei o café.

    f) O sujeito é formado pelas expressões: alguns de nós, poucos de vós, quais de ..., quantos de ..., etc.- o verbo poderá concordar com o pronome interrogativo ou indefinido ou com o pronome pessoal (nós ou vós).
    Ex.: Quais de vós me punirão?/ Quais de vós me punireis?

    Com os pronomes interrogativos ou indefinidos no singular o verbo concorda com eles em pessoa e número.
    Ex.: Qual de vós me punirá.

    g) O sujeito é formado de nomes que só aparecem no plural- se o sujeito não vier precedido de artigo, o verbo ficará no singular. Caso venha antecipado de artigo, o verbo concordará com o artigo.
    Ex.: Estados Unidos é uma nação poderosa./ Os Estados Unidos são a maior potência mundial.

    h)  O sujeito é formado pelas expressões mais de um, menos de dois, cerca de..., etc. – o verbo concorda com o numeral.
    Ex.: Mais de um aluno não compareceu à aula./ Mais de cinco alunos não compareceram à aula.

    i) O sujeito é constituído pelas expressões a maioria, a maior parte, grande parte, etc.- o verbo poderá ser usado no singular ( concordância lógica) ou no plural (concordância atrativa).Ex.: A maioria dos candidatos desistiu./ A maioria dos candidatos desistiram.

    j) O sujeito tiver por núcleo a palavra gente (sentido coletivo)- o verbo poderá ser usado no singular ou plural se este vier afastado do substantivo.
    Ex.: A gente da cidade, temendo a violência da rua, permanece em casa./ A gente da cidade, temendo a violência da rua, permanecem em casa.

     2) Sujeito composto

    Regra geral: o verbo vai para o plural.
    Ex.: João e Maria foram passear no bosque.

    Casos especiais:
    a) Os núcleos do sujeito são constituídos de pessoas gramaticais diferentes- o verbo ficará no plural seguindo-se a ordem de prioridade: 1ª, 2ª e 3ª pessoa.
    Ex.: Eu (1ª pessoa) e ele (3ª pessoa) nos tornaremos ( 1ª pessoa plural) amigos.
    O verbo ficou na 1ª pessoa porque esta tem prioridade sob a 3ª.
    Ex: Tu (2ª pessoa) e ele (3ª pessoa) vos tornareis ( 2ª pessoa do plural) amigos.
    O verbo ficou na 2ª pessoa porque esta tem prioridade sob a 3ª.

    No caso acima, também é comum a concordância do verbo com a terceira pessoa.
    Ex.: Tu e ele se tornarão amigos.(3ª pessoa do plural)

    Se o sujeito estiver posposto, permite-se também a concordância por atração com o núcleo mais próximo do verbo.
    Ex.: Irei
    eu e minhas amigas.

    b) Os núcleos do sujeito estão coordenados assindeticamente ou ligados por e - o verbo concordará com os dois núcleos.
    Ex.: A jovem e a sua amiga seguiram a pé.

    Se o sujeito estiver posposto, permite-se a concordância por atração com o núcleo mais próximo do verbo.
    Ex.: Seguiria a pé a jovem e a sua amiga.

    c)  Os núcleos do sujeito são sinônimos (ou quase) e estão no singular - o verbo poderá ficar no plural (concordância lógica) ou no singular (concordância atrativa).
    Ex.: A angústia e ansiedade não o ajudavam a se concentrar./ A angústia e ansiedade não o ajudava a se concentrar.

    d)  Quando há gradação entre os núcleos- o verbo pode concordar com todos os núcleos (lógica) ou apenas com o núcleo mais próximo.
    Ex.: Uma palavra, um gesto, um olhar bastavam./ Uma palavra, um gesto, um olhar bastava.

    e)  Quando os sujeitos forem resumidos por nada, tudo, ninguém... - o verbo concorda com o aposto resumidor.
    Ex.: Os pedidos, as súplicas, o desespero, nada o comoveu.

    f) Quando o sujeito for constituído pelas expressões um e outro, nem um nem outro...- o verbo poderá ficar no singular ou no plural.
    Ex.: Um e outro já veio./ Um e outro já vieram.

    g)  Quando os núcleos do sujeito estiverem ligados por ou- o verbo irá para o singular quando a idéia for de exclusão e plural quando for de inclusão.
    Ex.: Pedro ou Antônio ganhará o prêmio. (exclusão)
    A poluição sonora ou a poluição do ar são nocivas ao homem. (adição, inclusão)

    h)  Quando os sujeitos estiverem ligados pelas séries correlativas (tanto...como/ assim...como/ não só...mas também, etc.) - o mais comum é o verbo ir para o plural, embora o singular seja aceitável se os núcleos estiverem no singular.
    Ex.: Tanto Erundina quanto Collor perderam as eleições municipais em São Paulo./ Tanto Erundina quanto Collor perdeu as eleições municipais em São Paulo.

    Outros casos:
    1)     Partícula SE:
    a-     Partícula apassivadora: o verbo ( transitivo direto) concordará com o sujeito passivo.
    Ex.: Vende-se carro./ Vendem-se carros.
    b- Índice de indeterminação do sujeito: o verbo (transitivo indireto) ficará obrigatoriamente no singular.
    Ex.: Precisa-se de secretárias.
    Confia-se em pessoas honestas.

    2)     Verbos impessoais
    São aqueles que não possuem sujeito, ficarão sempre na 3ª pessoa do singular.
    Ex.: Havia sérios problemas na cidade.
    Fazia quinze anos que ele havia parado de estudar.
    Deve haver sérios problemas na cidade.
    Vai fazer quinze anos que ele parou de estudar.

    Os verbos auxiliares (deve, vai) acompanham os verbos principais.
    O verbo existir não é impessoal. Veja:
    Existem sérios problemas na cidade.
    Devem existir sérios problemas na cidade

    3)     Verbos dar, bater e soar
    Quando usados na indicação de horas, têm sujeito (relógio, hora, horas, badaladas...) e com ele devem concordar. 
    Ex.: O relógio deu duas horas.
    Deram duas horas no relógio da estação.
    Deu uma hora no relógio da estação.
    O sino da igreja bateu cinco badaladas.
    Bateram  cinco badaladas no sino da igreja.
    Soaram dez badaladas no relógio da escola.

    4)     Sujeito oracional
    Quando o sujeito é uma oração subordinada, o verbo da oração principal fica na 3ª pessoa do singular.
    Ex.: Ainda falta/ dar os últimos retoques na pintura.

    5)     Concordância com o infinitivo
    a)     Infinitivo pessoal e sujeito expresso na oração: 
    - não se flexiona o infinitivo se o sujeito for representado por pronome pessoal oblíquo átono.
    Ex.: Esperei-as chegar.
    -   é facultativa a flexão do infinitivo se o sujeito não for representado por pronome átono e se o verbo da oração determinada pelo infinitivo for causativo (mandar, deixar, fazer) ou sensitivo (ver, ouvir, sentir e sinônimos).
    Ex.: Mandei sair os alunos./Mandei saírem os alunos.
    - flexiona-se obrigatoriamente o infinitivo se o sujeito for diferente de pronome átono e determinante de verbo não causativo nem sensitivo.
    Ex.: Esperei saírem todos.

    b)  Infinitivo pessoal e sujeito oculto
    - não se flexiona o infinitivo precedido de preposição com valor de gerúndio.
    Ex.: Passamos horas a comentar o filme.(comentando)
    - é facultativa a flexão do infinitivo quando seu sujeito for idêntico ao da oração principal.
    Ex.: Antes de (tu)responder, (tu) lerás o texto./Antes de (tu )responderes, (tu) lerás o texto.
    - é facultativa a flexão do infinitivo que tem seu sujeito diferente do sujeito da oração principal e está indicado por algum termo do contexto.
    Ex.: Ele nos deu o direito de contestar./Ele nos deu o direito de contestarmos.
    - é obrigatória a flexão do infinitivo que tem seu sujeito diferente do sujeito da oração principal e não está indicado por nenhum termo no contexto.
    Ex.: Não sei como saiu sem notarem o fato.

    c)   Quando o infinitivo pessoal está em uma locução verbal
    -  não se flexiona o infinitivo sendo este o verbo principal da locução verbal quando devida à ordem dos termos da oração sua ligação com o verbo auxiliar for nítida.
    Ex.: Acabamos de fazer os exercícios.
    - é facultativa a flexão do infinitivo sendo este o verbo principal da locução verbal, quando o verbo auxiliar estiver afastado ou oculto.
    Ex.: Não devemos, depois de tantas provas de honestidade, duvidar e reclamar dela./
    Não devemos, depois de tantas provas de honestidade, duvidarmos e reclamarmos dela.

    6) Concordância com o verbo ser:
    a- Quando, em predicados nominais, o sujeito for representado por um dos pronomes TUDO, NADA, ISTO, ISSO, AQUILO: o verbo ser ou parecer concordarão com o predicativo.
    Ex.: Tudo são flores./Aquilo parecem ilusões.

    Poderá ser feita a concordância com o sujeito quando se quer enfatizá-lo.
    Ex.: Aquilo
    é sonhos vãos.

    b-   O verbo ser concordará com o predicativo quando o sujeito for os pronomes interrogativos QUE ou QUEM.
    Ex.: Que são gametas?/ Quem foram os escolhidos?

    c-   Em indicações de horas, datas, tempo, distância: a concordância será com a expressão numérica
    Ex.: São nove horas./ É uma hora.

    Em indicações de datas, são aceitas as duas concordâncias pois subentende-se a palavra dia.Ex.: Hoje são
    24 de outubro./ Hoje é (dia) 24 de outubro.

    d- Quando o sujeito ou predicativo da oração for pronome pessoal, a concordância se dará com o pronome.
    Ex.: Aqui o presidente sou eu.

    Se os dois termos (sujeito e predicativo) forem pronomes, a concordância será com o que aparece primeiro, considerando o sujeito da oração.
    Ex.: Eu não sou tu

    e-  Se o sujeito for pessoa, a concordância nunca se fará com o predicativo.
    Ex.: O menino era as esperanças da família.

    f-  Nas locuções é pouco, é muito, é mais de, é menos de junto a especificações de preço, peso, quantidade, distância e etc, o verbo fica sempre no singular.
    Ex.: Cento e cinqüenta é pouco./ Cem metros é muito.

    g-  Nas expressões do tipo ser preciso, ser necessário, ser bom o verbo e o adjetivo podem ficar invariáveis, (verbo na 3ª pessoa do singular e adjetivo no masculino singular) ou concordar com o sujeito posposto.
    Ex.: É necessário aqueles materiais./ São necessários aqueles materiais.

    h- Na expressão é que, usada como expletivo, se o sujeito da oração não aparecer entre o verbo ser e o que, ficará invariável.Se aparecer, o verbo concordará com o sujeito.
    Ex.: Eles é que sempre chegam atrasados./ São eles que sempre chegam atrasados.


     

    Concordância nominal

    Regra geral: o artigo, o numeral, o adjetivo e o pronome adjetivo concordam com o substantivo a que se referem em gênero e número.
    Ex.: Dois
    pequenos
    goles de vinho e um
    calçado
    certo deixam qualquer mulher irresistivelmente alta.

    Concordâncias especiais:
    Ocorrem quando algumas palavras variam sua classe gramatical, ora se comportando como um adjetivo (variável) ora como um advérbio (invariável).

     Mais de um vocábulo determinado
    1- Pode ser feita a concordância gramatical ou a atrativa.
    Ex.: Comprei um sapato e um vestido
    pretos. (gramatical, o adjetivo concorda com os dois substantivos)
    Comprei um sapato e um vestido
    preto. (atrativa, apesar do adjetivo se referir aos dois substantivos ele concordará apenas com o núcleo mais próximo)

     Um só vocábulo determinado
    1- Um substantivo acompanhado (determinado) por mais de um adjetivo: os adjetivos concordam com o substantivo
    Ex.: Seus lábios eram doces e macios.

     2-
    Bastante- bastantes
    Quando adjetivo, será variável e quando advérbio, será invariável
    Ex.: Há bastantes
    motivos para sua ausência. (bastantes será adjetivo de motivos)
    Os alunos falam bastante. ( bastante será advérbio de intensidade referindo-se ao verbo)

    3-
    Anexo, incluso, obrigado, mesmo, próprio
    São adjetivos que devem concordar com o substantivo a que se referem.
    Ex.: A fotografia vai anexa ao curriculum.
    Os documentos irão anexos ao relatório.

    Quando precedido da preposição em, fica invariável.
    Ex.: A fotografia vai em anexo.

    Envio-lhes, inclusas, as certidões./ Incluso segue o documento.
    A professora disse: muito obrigada./ O professor disse: muito obrigado.
    Ele
    mesmo fará o trabalho./ Ela
    mesma fará o trabalho.

    Mesmo pode ser advérbio quando significa realmente, de fato. Será, portanto invariável.
    Ex.: Maria viajará mesmo para os EUA.
    Ele
    próprio fará o pedido ao diretor./ Ela
    própria fará o pedido ao diretor.

    4-
    Muito, pouco, caro, barato, longe, meio, sério, alto
    São palavras que variam seu comportamento funcionando ora como advérbios (sendo assim invariáveis) ora como adjetivos (variáveis).

    Ex.: Os homens eram altos./ Os homens falavam
    alto.
    Poucas
    pessoas acreditavam nele./ Eu ganho
    pouco pelo meu trabalho.
    Os sapatos custam
    caro./ Os sapatos estão caros.
    A água é barata./ A água custa
    barato.
    Viajaram por longes
    terras./ Eles vivem
    longe.
    Eles são homens
    sérios./ Eles falavam
    sério.
    Muitos
    homens morreram na guerra./ João fala
    muito.

    Ele não usa meias
    palavras./ Estou meio
    gorda.

    5 - É bom, é necessário, é proibido
    Só variam se o sujeito vier precedido de artigo ou outro determinante.
    Ex.: É proibido entrada de estranhos./ É proibida
    a entrada de estranhos.
    É necessário chegar cedo./ É necessária
    sua chegada.

    6 -
    Menos, alerta, pseudo
    São sempre invariáveis.
    Ex.: Havia menos professores na reunião./Havia menos professoras na reunião.
    O aluno ficou alerta./ Os alunos ficaram alerta.
    Era um pseudomédico./ Era uma pseudomédica.

    7 -
    Só, sós
    Quando adjetivos, serão variáveis, quando advérbios serão invariáveis.
    Ex.: A criança ficou ./ As crianças ficaram sós. (adjetivo)
    Depois da briga,
    restaram copos e garrafas quebrados. (advérbio)

    A  locução adverbial a sós é invariável.
    Ex.: Preciso falar a sós com ele.

    8 -
    Concordância dos particípios
    Os particípios concordarão com o substantivo a que se referem.
    Ex.: Os livros foram comprados a prazo./ As mercadorias foram compradas a prazo.

    Se o particípio pertencer a um tempo composto será invariável.
    Ex.: O juiz tinha iniciado o jogo de vôlei./ A juíza tinha iniciado o jogo de vôlei. 


     

    10 Regência nominal e verbal.


     

    Regência

    É a parte da Gramática Normativa que estuda a relação entre dois termos, verificando se um termo serve de complemento a outro. A palavra ou oração que governa ou rege as outras chama-se regente ou subordinante;
    os termos ou oração que dela dependem são os regidos ou subordinados.
    Ex.: Aspiro o perfume da flor. (cheirar)/ Aspiro a uma vida melhor. (desejar)


     

    Regência Verbal 

    1- Chegar/ ir – deve ser introduzido pela preposição a e não pela preposição em.
    Ex.: Vou ao dentista./ Cheguei a Belo Horizonte.

    2- Morar/ residir – normalmente vêm introduzidos pela preposição em.
    Ex.: Ele mora em São Paulo./ Maria reside em Santa Catarina.

    3- Namorar – não se usa com preposição.
    Ex.: Joana namora Antônio.

    4- Obedecer/desobedecer – exigem a preposição a.
    Ex.: As crianças obedecem aos pais./ O aluno desobedeceu ao professor.

    5-Simpatizar/ antipatizar – exigem a preposição com.
    Ex.: Simpatizo com Lúcio./ Antipatizo com meu professor de História.

    Estes verbos não são pronominais, portanto, são considerados construções erradas quando aparecem acompanhados de pronome oblíquo: Simpatizo-me com Lúcio./ Antipatizo-me com meu professor de História.

    6- Preferir -  este verbo exige dois complementos sendo que um usa-se sem preposição e o outro com a preposição a.
    Ex.: Prefiro dançar a fazer ginástica.

    Segundo a linguagem formal, é errado usar este verbo reforçado pelas expressões ou palavras: antes, mais, muito mais, mil vezes mais, etc.
    Ex.: Prefiro mil vezes dançar a fazer ginástica.

    Verbos que apresentam mais de uma regência

    1 - Aspirar
    a- no sentido de cheirar, sorver: usa-se sem preposição. Ex.: Aspirou o ar puro da manhã.
    b- no sentido de almejar, pretender: exige a preposição a. Ex.: Esta era a vida a que aspirava.

    2 - Assistir
    a) no sentido de prestar assistência, ajudar, socorrer: usa-se sem preposição. Ex.: O técnico assistia os jogadores novatos.

    b) no sentido de ver, presenciar: exige a preposição a.
    Ex.: Não assistimos ao show.

    c) no sentido de caber, pertencer: exige a preposição a.
    Ex.: Assiste ao homem tal direito.

    d) no sentido de morar, residir: é intransitivo e exige a preposição em.
    Ex.: Assistiu em Maceió por muito tempo.

    3 - Esquecer/lembrar
    a- Quando não forem pronominais: são usados sem preposição. 
    Ex.: Esqueci o nome dela.

    b- Quando forem pronominais: são regidos pela preposição de.
    Ex.: Lembrei-me do nome de todos.

    4 - Visar
    a) no sentido de mirar: usa-se sem preposição. Ex.: Disparou o tiro visando o alvo.
    b) no sentido de dar visto: usa-se sem preposição. Ex.: Visaram os documentos.
    c) no sentido de ter em vista, objetivar: é regido pela preposição a.
    Ex.: Viso a uma situação melhor.

    5 - Querer
    a) no sentido de desejar: usa-se sem preposição. Ex.: Quero viajar hoje.
    b) no sentido de estimar, ter afeto: usa-se com a preposição a. 
    Ex.: Quero muito aos meus amigos.

    6 - Proceder
    a) no sentido de ter fundamento: usa-se sem preposição.
    Ex.: Suas queixas não procedem.

    b) no sentido de originar-se, vir de algum lugar: exige a preposição de.
    Ex.: Muitos males da humanidade procedem da falta de respeito ao próximo.

    c) no sentido de dar início, executar: usa-se a preposição a.
    Ex.: Os detetives procederam a uma investigação criteriosa.

    7 - Pagar/ perdoar
    a) se tem por complemento palavra que denote coisa: não exigem preposição. Ex.: Ela pagou a conta do restaurante.
    b) se tem por complemento palavra que denote pessoa: são regidos pela preposição a. Ex.: Perdoou a todos,

    8 - Informar
    a) no sentido de comunicar, avisar, dar informação: admite duas construções: 1) objeto direto de pessoa e indireto de coisa (regido pelas preposições de ou sobre). Ex.: Informou todos do ocorrido. 2) objeto indireto de pessoa ( regido pela preposição a) e direto de coisa. Ex.: Informou a todos o ocorrido.

    9 - Implicar
    a) no sentido de causar, acarretar: usa-se sem preposição.
    Ex.: Esta decisão implicará sérias conseqüências.

    b) no sentido de envolver, comprometer: usa-se com dois complementos, um direto e um indireto com a preposição em.
    Ex.: Implicou o negociante no crime.

    c) no sentido de antipatizar: é regido pela preposição com.
    Ex.: Implica com ela todo o tempo.

    10- Custar
    a) no sentido de ser custoso, ser difícil: é regido pela preposição a. Ex.: Custou ao aluno entender o problema.

    b) no sentido de acarretar, exigir, obter por meio de: usa-se sem preposição. Ex.: O carro custou-me todas as economias.

    c) no sentido de ter valor de, ter o preço: usa-se sem preposição.
    Ex.: Imóveis custam caro.


     

    Regência Nominal 

    Alguns nomes também exigem complementos preposicionados. Conheça alguns:

     acessível a acostumado a, com adaptado a, para afável com, para com aflito com, em, para, por agradável a alheio a, de alienado a, de alusão a amante de análogo a ansioso de, para, por  apto a, para atento a, em aversão a, para, por ávido de, por benéfico a capaz de, para certo de compatível com compreensível a comum a, de constante em contemporâneo a, de contrário a curioso de, para, por desatento a descontente com desejoso de escasso de essencial para pertinaz em possível de possuído de posterior a preferível a prejudicial a prestes a propenso a, para propício a rico de, em seguro de, em;


     

    11 Significação das palavras.


     

    SINÔNIMOS

    São palavras que apresentam, entre si, o mesmo significado.

    triste = melancólico.

    resgatar = recuperar

    maciço = compacto

    ratificar = confirmar

    digno = decente, honesto

    reminiscências = lembranças

    insipiente = ignorante.

    ANTÔNIMOS

    São palavras que apresentam, entre si, sentidos opostos, contrários.

    bom x mau

    bem x mal

    condenar x absolver

    simplificar x complicar

    HOMÔNIMOS

    São palavras iguais na forma e diferentes na significação. Há três tipos de homônimos:

    HOMÔNIMOS PERFEITOS

    Têm a mesma grafia e o mesmo som.

    cedo (advérbio) e cedo (verbo ceder);

    meio (numeral), meio (adjetivo) e meio (substantivo).

    HOMÔNIMOS HOMÓFONOS

    Têm o mesmo som e grafias diferentes.

    sessão (reunião), seção (repartição) e cessão (ato de ceder);

    concerto (harmonia) e conserto (remendo).

    HOMÔNIMOS HOMÓGRAFOS

    Têm a mesma grafia e sons diferentes.

    almoço (refeição) e almoço (verbo almoçar);

    sede (vontade de beber) e sede (residência).

    PARÔNIMOS

    São palavras de significação diferente, mas de forma parecida, semelhante.

    retificar e ratificar;

    emergir e imergir.

    Eis uma lista com alguns homônimos e parônimos:

    acender = atear fogo

    ascender = subir

    acerca de = a respeito de, sobre

    cerca de = aproximadamente

    há cerca de = faz aproximadamente, existe aproximadamente, acontece aproximadamente

    afim = semelhante, com afinidade

    a fim de = com a finalidade de

    amoral = indiferente à moral

    imoral = contra a moral, libertino, devasso

    apreçar = marcar o preço

    apressar = acelerar

    arrear = pôr arreios

    arriar = abaixar

    bucho = estômago de ruminantes

    buxo = arbusto ornamental

    caçar = abater a caça

    cassar = anular

    cela = aposento

    sela = arreio

    censo = recenseamento

    senso = juízo

    cessão = ato de doar

    seção ou secção = corte, divisão

    sessão = reunião

    chá = bebida

    = título de soberano no Oriente

    chalé = casa campestre

    xale = cobertura para os ombros

    cheque = ordem de pagamento

    xeque = lance do jogo de xadrez, contratempo

    comprimento = extensão

    cumprimento = saudação

    concertar = harmonizar, combinar

    consertar = remendar, reparar

    conjetura = suposição, hipótese

    conjuntura = situação, circunstância

    coser = costurar

    cozer = cozinhar

    deferir = conceder

    diferir = adiar

    descrição = representação

    discrição = ato de ser discreto

    descriminar = inocentar

    discriminar = diferençar, distinguir

    despensa = compartimento

    dispensa = desobrigação

    despercebido = sem atenção, desatento

    desapercebido = desprevenido

    discente = relativo a alunos

    docente = relativo a professores

    emergir = vir à tona

    imergir = mergulhar

    emigrante = o que sai

    imigrante = o que entra

    eminente = nobre, alto, excelente

    iminente = prestes a acontecer

    esperto = ativo, inteligente, vivo

    experto = perito, entendido

    espiar = olhar sorrateiramente

    expiar = sofrer pena ou castigo

    estada = permanência de pessoa

    estadia = permanência de veículo

    flagrante = evidente

    fragrante = aromático

    fúsil = que se pode fundir

    fuzil = carabina

    fusível = resistência de fusibilidade calibrada

    incerto = duvidoso

    inserto = inserido, incluso

    incipiente = iniciante

    insipiente = ignorante

    indefesso = incansável

    indefeso = sem defesa

    infligir = aplicar pena ou castigo

    infringir = transgredir, violar, desrespeitar

    intemerato = puro, íntegro, incorrupto

    intimorato = destemido, valente, corajoso

    intercessão = súplica, rogo

    interse(c)ção = ponto de encontro de duas linhas

    laço = laçada

    lasso = cansado, frouxo

    ratificar = confirmar

    retificar = corrigir

    soar = produzir som

    suar = transpirar

    sortir = abastecer

    surtir = originar

    sustar = suspender

    suster = sustentar

    tacha = brocha, pequeno prego

    taxa = tributo

    tachar = censurar, notar defeito em

    taxar = estabelecer o preço

    vultoso = volumoso

    vultuoso = atacado de vultuosidade (congestão na face)

    EXERCÍCIOS

    1) Assinale a alternativa cujas palavras substituem adequadamente as palavras e expressões destacadas abaixo:

    Passou-me sem atenção que a sua intenção era estabelecer uma diferença entre os ignorantes e os valentes, corajosos.

    a) desapercebido - descriminar - incipientes - intemeratos.

    b) despercebido - discriminar - insipientes - intimoratos.

    c) despercebido - discriminar - insipientes - intemeratos.

    D) desapercebido - descriminar - insipientes - intemeratos.

    e) despercebido - discriminar - incipientes - intimoratos.


     

    2) O apaixonado rapaz ficou extático diante da beleza da noiva. A palavra destacada é sinônima de:

    a) imóvel

    b) admirado

    c) firme

    d) sem respirar

    e) indiferente


     

    3) Indique a alternativa errada:

    a) As pessoas mal-educadas, sempre se dão mal com os outros.

    b) Os meus ensinamentos foram mal interpretados.

    c) Vivi maus momentos, naquela época.

    d) Temos que esclarecer os mau-entendidos.

    e) Os homens maus sempre prejudicam os bons.


     

    4) os sinônimos de exilado, assustado, sustentar e expulsão são, respectivamente:

    a) degredado, espavorido, suster e proscrição.

    b) degradado, esbaforido, sustar e prescrição.

    c) degredado, espavorido, sustar e proscrição.

    d) degradado, esbaforido, sustar e proscrição.

    e) degradado, espavorido, suster e prescrição.

    5) Trate de arrumar o aparelho que você quebrou e costurar a roupa que você rasgou, do contrário não saíra de casa nesse final de semana.

    As palavras destacadas podem ser substituídas por:

    a) concertar, coser e se não.

    b) consertar, coser e senão.

    c) consertar, cozer e senão.

    d) concertar, cozer e senão.

    e) consertar, coser e se não.

    6) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase abaixo:

    Da mesma forma que os italianos e japoneses _________ para o Brasil no século passado, hoje os

    brasileiros _________ para a Europa e para o Japão, à busca de uma vida melhor; internamente, os

    nordestinos ________ para o Sul, pelo mesmo motivo.

    a) imigraram - emigram - migram

    b) migraram - imigram - emigram

    c) emigraram - migram - imigram.

    d) emigraram - imigram - migram.

    e) imigraram - migram - emigram.

    7) Há erro de grafia em:

    a) Eucláudia trabalha na seção de roupas.

    b) Hoje haverá uma sessão extraordinária na Câmara de Vereadores.

    c) O prefeito da cidade resolveu fazer a cessão de seus rendimentos à creche municipal.

    d) Voto 48ª sessão, da 191ª zona eleitoral.

    e) Ontem, fui ao cinema na sessão das dez.

    8) Assinale a letra que preenche corretamente as lacunas das frases apresentadas.

    A ___________ da greve era ________, mas o líder dos trabalhadores iria ___________ o aumento

    mais uma vez.

    a) deflagração - eminente - reivindicar.

    b) defragração - iminente - reinvidicar.

    c) deflagração - iminente - reivindicar.

    d) defragração - eminente - reinvindicar.

    e) defragração - eminente - reivindicar

    9) Assinale a letra que preenche corretamente as lacunas das frases apresentadas. Apesar de _______ em mecânica de automóveis, ele foi _______ de __________, pois não conseguiu

    diagnosticar o problema no motor do carro do diretor.

    a) esperto - tachado - incipiente.

    b) experto - tachado - insipiente.

    c) experto - taxado - insipiente.

    d) esperto - taxado - incipiente.

    e) esperto - taxado - incipiente.

    10) Assinale a letra que preenche corretamente as lacunas das frases apresentadas.

    O ladrão foi pego em _________, quando tentava levar _______ quantia, devido a uma _______ de

    caminhões bem em frente ao banco.

    a) flagrante - vultosa - coalizão.

    b) fragrante - vultuosa - colisão.

    c) flagrante - vultosa - colisão.

    d) fragrante - vultuosa - coalizão.

    e) flagrante - vultuosa - coalizão.

    11) Assinale a letra que preenche corretamente as lacunas das frases apresentadas.

    O rapaz que se sentiu ____________ pela diretora do colégio fez uma _______ até Brasília para tentar _________ uma pena a ela.

    a) descriminado - viajem - inflingir.

    b) discriminado - viagem - infligir.

    c) discriminado - viajem - infringir.

    d) descriminado - viagem - infligir.

    e) discrimando - viagem - infringir.

    12) Assinale a letra que preenche corretamente as lacunas das frases apresentadas.

    __________, a verdade _______, e, apesar de todos os protestos dos deputados, o ________

    governador ______ os direitos do secretário.

    a) De repente - emergiu - iminente - cassou.

    b) Derrepente - imergiu - iminente - caçou.

    c) De repente - emergiu - eminente - cassou.

    d) De repente - imergiu - eminente - caçou.

    e) Derrepente - emergiu - iminente - cassou.

    Respostas

    1) B 2) B 3) D 4) A 5) B 6) A 7) D 8) C 9) D 10) C 11) B 12) C

Nenhum comentário:

Postar um comentário